7 de dez de 2010

O que valeu? - Carta




Alfenas, 07 de dezembro de 2010
Para alguém.

Eu escrevo invento amores e até mesmo algumas dores, mas nada demais. Sinto o mundo inteiro dentro de mim, todos os sentimentos possíveis e comprovados. Mas não tenho nada de diferente. Aliás, eu tenho só os meus amores platônicos, mas ultimamente não sei se realmente vale à pena ter um amor em um mundo que só se dá bem quem for esperto. E eu só respiro amor. Não importa aonde nem o motivo. Eu vivo por amor. Eu vivo de amor. Me alimento de amor. Seja o mais estranho, seja o mais provável e seja o mais impossível.
Hoje, se completa mais um dia. Senti meu cérebro queimar e minha alma sair e me deixar no vácuo. Já que quem anda me completando é o próprio vácuo. Ele me altera me faz sorrir e ainda diz que eu sou a menina mais especial que ele já conheceu. Engraçado não é? Pois é.
Mas valeu a pena escrever? Valeu a pena pelo menos tentar esperar por algo que a jamais aconteceria? Eu criei meu destino sozinha, fui à luta, tentei conquistar meu espaço pouco a pouco até chegar onde estou. Não estou inteiramente feliz. Não estou inteiramente triste. Estou bem como antes. Mas percebi que você faz parte da minha vida e eu não faço parte da sua. Andei pensando em me ver livre disso tudo. E sei que já se passaram trinta e quatro dias e quase mil horas.
Tenho essa história e me cansei dela, mas não consigo ir embora e anular todos os fatos. Não consigo nem ao menos contar mais essa história para ninguém. Andei cansando. Me divertindo e acreditando de novo na magia que tudo trás com o tempo e com o vento. Mas eu pensei que seria mais dolorido, quem sabe. Pensei que não daria conta. Pensei em até mesmo em desistir de escrever um ano inteirinho somente para você. E quando me vi já se passaram um mês e cinco dias. Pensei que não iria passar uma semana, mas passou. E estou viva, sorrindo e voltando a ter saúde.
Consigo sorrir e respirar sem me sentir tão pesada. Consigo achar graça e até mesmo ver belezas diferentes por aí. Consigo de novo enfrentar os dias, mas algo me falta. E esse algo é você. Seria você, na verdade. Mas hoje, tudo me faz falta. Sinto falta até de mim, do que eu fui e do que senti. Sinto falta de você. Do que você foi, do que você era. Não de você hoje. Não gosto dessa sua versão. Não gosto de você assim. Tenho pensado em coisas novas, em novos textos e em novas pessoas.
Gosto de você, mas te prendo em algum lugar que eu não consigo mais ter nenhum acesso. Eu gosto, e penso intensamente em você. Tudo bem há novas chances para amar de novo, há infinitas chances. E eu sempre me apaixonei por você, e eu torço para que isso não seja para sempre. E se for, valeu à pena? Não. Infelizmente. Mas era o meu sonho, e para mim, um sonho vale muito. Vale igual sentir uma brisa em um dia de sol. Vale igual uma boneca para uma menina que nunca pode tocar em uma. E para você o que valeu?
Não espero sua resposta. Não faça mais ninguém se machucar. Se bem que a culpa foi minha.
Mas te desejo o melhor, hoje
Um grande beijo, saudades & muito amor.
Queira ser feliz independente de qualquer coisa ou qualquer destino. Queira ser forte e enfrente seus sonhos. E o principal. Queria saber amar.
Eternamente, Layla Péres.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©