26 de ago de 2013

Para alguém que não vê



Minha capacidade de ser enganada está esgotada. Era tão eu naquele momento que não poderia mentir, abafar o caso e seguir em frente. É tudo maior do que realmente é: Aumentei o caos, tentei diminuir qualquer expectativa mas, não adiantou porra alguma. Porque às vezes, eu queria ser corajosa o suficiente para provar outros corpos, outros cheiros, outros gostos. Porque às vezes, me dá vontade de ser mais fácil do que qualquer outra menina que seja realmente fácil. Me dá vontade de sair, fugir, evitar e negar mais uma vez que não, não tem nada a vê e que foi realmente melhor assim. Por mais que eu vivia naquela onda de desapegada, fria e moderninha, a minha realidade e a minha vontade de sossegar falou muito mais alto durante esse tempo todo. Porque se você realmente tentasse algo, eu estaria aqui. Porque se você realmente quisesse me amar, eu facilitaria tudo e me desmontaria como nunca me desmontei para alguém. Mas você, infelizmente, preferiu dificultar, partir, me deletar uma vez do seu mundo. A cada ida e vinda é um tempo perdido e infelizmente, não tenho mais paciência para você e nem para sua vida.
Eu gostava tanto de você. Gostava tão absurdamente que me dava um troço ruim dentro do meu peito. Gostava tanto de você que cheguei a pensar que você sim, seria o homem da minha vida. Gostava tanto de você que senti sua falta muitas vezes. Gostava tanto tanto tanto que deixou de ser apenas gostar e virou uma pontinha aguda de um quase-amor. Gostava tanto do seu cabelo, do seu jeito, da sua voz, da sua arrogância e dos seus pontinhos de falsa humildade. Gostava tanto que senti seu perfume nas ruas. Gostava tanto que vi teu jeito no mocinho desconhecido. Mas gostar nunca vai ser o suficiente. Sentir algo por alguém, nunca vai ser o suficiente para nada.
Mas, você nunca me considerou. Você preferiu seguir tua vida e eu preferi também fazer o mesmo já que não há tempo para ficar chorando por algo que nunca irá acontecer. Eu sei, sinto saudade, e desejo todos os dias para que você mude sua opinião. Desejo todos os dias para que você pare de evitar o que realmente acontece e que sonho com o dia em que você comece a ver tudo que está na tua frente. Por mais que eu gosto de você, por mais que sonhei inúmeras vezes com seu jeito, desculpa mas, não dá para ficar esperando sua boa vontade. Me desculpe por ser tão ríspida, mas eu tentei. Juro que tentei te fazer a acreditar em mim, nas minhas palavras e nos meus versos.

24 de ago de 2013

Tudo novo de novo




Me perdi no meio das minhas velhas ideologias de sempre. Me perdi dentro do seu corpo. Me perdi todos os dias dentro do teu vazio, da tua solidão tão dolorida, e do teu jeito tão absurdo de ver a vida. Me perdi no teu silêncio, no teu gelo, na tua falta de encanto. Me perdi quando encontrei teu passado, me deparei com presente, e assustei com o futuro. Me perdi quando jurei que seria o único na minha vida. Me perdi quando não consegui ser de outros cheiros, toques e intenções. Me perdi quando quis ser tua para sempre, ou pelo menos, ser sua para sempre naquele momento. Me perdi ao te ver sendo de outra, tentando outro sonho, e tentando uma nova vida em que eu não estava envolvida. Me perdi quando te vi dizer aquele adeus tão sem graça, me perdi na sua vida, no seu capítulo preferido, na tua música e no teus sonhos. Você me perdeu pelo excesso de ego, pelo excesso de babaquice, pelo excesso de sonhos. Me perdeu por ser tudo em tão pouco tempo. Você tentou me perder diversas vezes, e parece que isso finalmente está acontecendo. Você tentou, tentou e tentou, e eu simplesmente evitei.
Eu quis chorar. Quis chorar diversas vezes. Quis chorar quando te vi indo embora do meu mundo. Quis chorar pelo excesso de expectativa que havia criado. Quis chorar ao escrever esse texto. Quis chorar porque finalmente eu havia gostado tanto de alguém, e esse alguém simplesmente me mandava embora do seu mundo. Você era tão de verdade que eu havia ficado tão encantada que não havia mais espaço para o nosso excesso. Quis chorar, pela última vez, quando resolvi que na minha vida você não iria mais ser nada.
Decorei frases, tentei ver mensagem subliminar, mas não consegui. A realidade sempre foi mais cruel do que qualquer frase feita de qualquer escritor. A realidade é bem mais difícil do que qualquer sentimento que eu poderia sentir. Prometi que não iria voltar diversas vezes. Jurei inúmeras vezes que não era certo, que era melhor ir embora de uma vez por todas. Aceitei e desaceitei na vida inúmeras vezes para tentar te ter por perto, um dia.
Sempre fui sua segunda opção. Eu era sua opção nos dias tristes e chuvosos. Enquanto a outra, era sua opção para a diversão, para o dia ensolarado ou até mesmo com muita música. Eu era sua segunda opção para que quando lhe faltasse atenção. Era a coadjuvante da minha própria história, e da sua vida. Não havia foco para o meu personagem, e você não me dava espaço para tentar reverter a situação. Não havia saída e nem desculpas. Por mais que as outras fossem tão idênticas, eram elas que você procurava, eram elas que você queria, e eu simplesmente não me deixei mais abalar por isso - Claro, que às vezes, fico emputecida e quero vingança, mas na maior parte do tempo, eu esqueço e deixo para lá -
Queria ser protagonista da tua vida. Eu aceitaria ter um papel de destaque, apenas hoje. Talvez, eu seria a vilã brava que morreria no final, ou talvez seria a princesa intocável que ganharia um beijo nos créditos. Talvez, sejamos tudo, amanhã. Talvez, sejamos nada, depois de amanhã. Talvez, aquele mocinho, me conquiste e me leve para longe de você. Talvez, eu tenha ficado louca. Sei que se me desse espaço, nada disso aconteceria. Ou talvez, se eu começasse a levar a sério tudo que acredito, não estaria aqui, escrevendo esse texto. Pela falta de tudo, acabamos assim. Não faço a menor ideia de ser o que você quer. Não faço a menor ideia de como ser igual aquelas meninas de sempre, e no fundo, tenho preguiça de ser igual. Nada foi normal, nada foi igual na minha vida, e dessa vez não seria diferente, né?
Porque se pudesse, ficaria aqui, quietinha, esperando você notar tudo o que não quer ver. Se pudesse, ficaria aqui, sendo superficial até que me notasse de uma vez por todas. Mas tive que entender que não há segredo algum: Você simplesmente não sente, não quer. Simplesmente prefere sumir, deletar, evitar. Não há chance para aquilo que não aconteceu. Não há fogo. Não há vento. Não há nada. Há somente esse texto. Há apenas essas letras, essa carta. Não há passado, e não há futuro algum. Há apenas eu.  Não sou a menina dos teus sonhos e nem das tuas insônias. Desisti friamente de você e da sua vida. Desisti de querer ser bonita para que você me veja bonita. Desisti das tuas histórias. Desisti de fazer parte da tua vida.
Me perdi novamente te escrevendo. Me perdi pelo excesso de vaidade, e pelo excesso de segredos. E infelizmente, não há volta para aquilo que nunca foi de verdade.



Capitão Gancho - Clarice Falcão 

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©