18 de jan de 2011

Querer





O sonho acaba quando irei falar e ver que já não tenho mais saída. Tudo é triste, mas procuro ainda forças para encontrar saídas em que posso mudar o meu destino, e o final, quero apenas uma coisa.
Quero que o final seja inesperado e brilhante. Quero sair dessa história renovada em todas as partes.
Minha insônia continua, não consigo fechar os olhos, não consigo dormir. Não sei o que está acontecendo. É loucura, é masoquismo, é perda. Odeio ser rotulada, mas ainda coloco rótulos em algumas pessoas. Quando vejo uma foto sua, o pensamento é o único, e sabe qual é ele? Que você foi o homem que por mais tempo consegui amar. Pode ser fofo para alguém, pode ser até ser engraçadinho, mas para mim, é o terror.
Não consigo te ver como antes. Tudo está perdendo a graça. E você já não é mais tão misterioso como antes, aos poucos o amor vai virando lembranças de um tempo não tão distante, mas vai se conformando, ficando quietinho na memória e mais quieto ainda dentro de mim.
Sinto vontade de deixar tudo pela metade, porque todos nós sabemos o final. Olho no relógio a cada segundo, com o intuito de que eu desapareça e você apareça. Olho para o relógio como se estivesse esperando algo, mas não há nada para ser esperado nesse momento.
O que eu ainda estou esperando?
Espero algo como se fosse mudar minha vida para sempre.
Não estou me importando, assumo. Gosto do impossível, improvável. Mas isso me destrói aos poucos. Preciso começar a gostar de coisas mornas, de pessoas mais mornas ainda. E eu adoro o frio. Não existe para mim, o meio termo. Não consigo ser quase. Eu sou ou não sou. Odeio cobranças. Odeio que críticas sobre o meu modo de pensar, ou o jeito que eu sou. Odeio quem sempre me pergunta por que sou fechada. E eu amo, amo e amo perguntas que jamais vão ter respostas.  Amo sentimento recém descoberto, que sempre vem com um frio na barriga, o coração dispara só de ouvir o nome ou só de ouvir o celular tocando, e mesmo assim, a vergonha de atender. Permito que me iluda, mas não me permito continuar iludida. Permito que se apaixonem por mim, claro, mas não permito que façam pressão para que seja recípocro.
Escrevo tentando adivinhar o sofrimento futuro e até mesmo, escrevo para tentar encontrar alguma coisa atrás-de-outra-coisa. E é com essa magia de mistério que me faz querer continuar.
Por mais que eu queira demonstrar alguém forte, acabo mostrando a minha verdadeira personalidade. Olho para o pôr-do-sol lá fora e peço renovação. Não agüento mais a mesma coisa de sempre. Não agüento mais falar em silêncio, chorar em silêncio e até mesmo, amar em silêncio, pensar em silêncio. Só consigo falar pausadamente, só consigo falar sobre as dores que não sei nem ao menos se existem realmente.
Não agüento mais esse silêncio que vive dentro de mim.
E percebeu? Odeio silêncio, mas amo o sossego. Odeio silêncio, mas amo a paz interior. Odeio silêncio, e por isso, amo falar.  Odeio silêncio, mas às vezes é preciso se calar. É preciso um dia, pedir silêncio ao mundo que grita em volta de mim, como se tudo fosse loucura.
Tive escolhas, apaixonava ou evitava. Quis evitar, mas acabei me colocando em risco, e me apaixonei, e hoje, a história não faz importância.
Digo que acostumo com o adeus, mas é a mentira. Acostumo sim, com a morte que me ronda. Mas não me acostumo com a perda. Não consigo me acostumar com a solidão, por mais que ela me ronda, e me toma. Não nasci para ser sozinha.  No fundo, tenho medo da solidão, mas mais fundo ainda, sei que ela vem para avisar cada um de nós que a vida lá fora existe, mesmo com os amores errados e as vidas totalmente tortas. É preciso ter forças para partir, mas é preciso ter muito mais forças para ficar.
Era exatamente isso, hoje, eu o amava, ou posso continuar dizendo que ainda o amo.
As palavras: Amar, amando, amado, amava, amará. Conjugar os verbos sempre foi difícil para mim, e mais uma vez, não consigo adivinhar qual o seu tempo verbal para esse sentimental, só sei que ele está conjugado no verbo Amar.
Já é tarde demais para desistir.
Querer é poder sim, mas às vezes a realidade prefere negar o seu poder, e impede o seu querer. Insistir em algo é como fosse explicado em atitude que ainda acredita em algo que não era mais para acreditar.
Insistir mesmo que o mundo fique contra você. Insistir até não ter mais forças e querer parar. Insista na sua felicidade, mesmo que ninguém que consiga acreditar nela.

Comente com o Facebook:

Um comentário:


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©