30 de abr de 2011

Enfrentar




Não é fácil recomeçar. Não é fácil terminar. Menino, você não passa disso, um dia sim, um dia você vai crescer, vai se formar, vai casar, vai morrer, e acabou. Nossa história também vai se acabar, e por isso, queria que você prestasse atenção uma vez em mim. Queria que você chegasse, mas é tanta mágoa dentro de mim que seria impossível conversar. Eu nunca vou afetar sua vida porque sou impossível para você, sou chata demais, implicante demais, carente demais, e você não suporta pessoas assim. Nunca fiz parte dos meus planos, e isso me deixa assustada, porque você se resumia nisso, você era os meus planos. Planos bobos, alguns maluquinhos, outros bonitos, e eu lutei, sei que lutei.  Enfrentei essa dor de frente e entendi o que havia de errado dela. Não fugi, enfrentei. Lutei para que ela passasse, e acho que finalmente ela sumiu. É como se uma fosse uma ferida recém cicatrizada. Mas todas as vezes que eu por a mão nessa cicatriz irei me recordar de tudo que passei, e ficarei triste novamente.
Não queria que tudo acabasse dessa forma. Tudo se acabou de uma maneira tão horrível. Sem nenhum toque ou presença percebível. Sem nenhum telefonema dizendo que estaria me deixando ou sem nenhuma carta que pudesse dizer que sempre fui o que te faltava. Mas vou ser direta, ter uma resposta sua seria voltar de novo, seria amar novamente tudo que um dia foi esnobado, e eu prefiro manter afastada. E está sendo fácil viver sem memórias, está sendo fácil não me lembrar do seu desprezo ou da sua arrogância.
Mas seria mais fácil se você estivesse do meu lado, e se for impossível para você, desculpe. Não quero te relembrar nada, mas quero que guarde o que for verdadeiro. Não quero saber se você procura outras, e se as outras são quase iguais a mim, seja o corte de cabelo, a data de nascimento ou até mesmo os defeitos. Não quero que me use como desculpa, quero te ver feliz, mesmo que isso me doa. Quero que alcance o que sempre quis, e quero se lembre, alguém perdida por aí torce por sua felicidade. Essa é a hora que se abandona tudo? Essa é a hora que você vai ou fica?
Queria que você pudesse ter visto o que realmente fui. Fui a apaixonada e carente. Mas nada disso importaria se você realmente tivesse gostado de mim. Por você não ter me amado, tudo isso me fez ver de uma maneira solitária demais, criativa demais, e cansativa demais. Depois de tanto tempo, finalmente vejo que cansei. Estou entregando os pontos, porque eu sei que as vezes nem tudo se pode ter. Mas era bom sonhar com você. Era bom imaginar sua reação ao me vez ou até mesmo ao me ouvir. Meu Deus, era bom, mas acabou. Era lindo, você era lindo, e tudo isso fazia com que a minha volta se tornasse lindo. E depois, tudo se tornou feio. Você se tornou feio, o céu ficou feio, eu fiquei feia. Vocês podem estar me achando uma babaca agora mas a história é minha, e isso se torna interessante. Porque encarar uma dor, um problema de frente são para as poucas. E hoje, consigo ver tudo de frente. Olho no olho, sorriso aberto e coração sereno, assim estou. Não quero desejar o impossível, só quero um cantinho que me faça sentir segura. Não quero um príncipe, eu quero você, e isso vou continuar desejando até que outro apareça e me faça sentir o que é realmente se tornar adulta. Sem cobranças ou saudade, sem insanidade ou exagero. Quero que o dia seja claro, quero sorrisos sinceros e abraços calorosos. Chega de dias nublados, de sorrisos superficiais e abraços vazios. Quero sua volta mas só se houver felicidade. Quero enfrentar, quero lutar, quero viver. Sem medo ou medo da malícia. Sem prepotência. E quero que deseje isso também. E enfrento sem medo, enfrento porque é a única alternativa que me restou. E que se dane o resto.

29 de abr de 2011

O amor e suas maluquices



O amor tem lá suas coisas e você fez parte. Foi o que me fez sorrir e sonhar e até mesmo em imaginar o meu futuro. Hoje foi o casamento do príncipe e eu nunca quis ter sonhos ocultos com ele. Isso me faz ser uma menina bizarra? Pois bem, se sim, sou bizarra, mas mesmo assim, me deu uma pontinha de dor só de saber que o amor existe, que toda a fofura e o bom senso ainda continuam nas cabeças das pessoas e isso me deixa triste, porque para mim, o amor acabou, acabou de ver. It's over.
Percebo o que já perdi e o que estou perdendo aos poucos, nem tudo que perdi foi horrível, foi sofrido. Eu tenho vontade de me afastar de tudo, como se cada uma dessas pessoas que estão em minha volta poderiam e poderão me magoar. O amor ainda existe e todo mundo sabe. São letras de músicas, poemas, dissertações, todas juntas ao mesmo tempo me lembram que o amor existe e que sou uma fraca por evitá-lo e até mesmo por destruir tudo que me envolveu um dia. Notou a diferença, menino? Você me fez ter mais medo do que eu já tinha, mas ao mesmo tempo não foi culpa de ninguém. É algo particular, é algo que me vem desde pequena. Síndrome de quem acredita que todos os homens sejam iguais aos nossos pais. Eu tenho medo de encontrar um homem que seja igual o meu, e assim, endureci.
Nunca acreditei em príncipes, em homens perfeitos e assim, agradeço minha mãe por sempre me alertar. Mas o que você tem com isso? Também não sei. É um frio absurdo, uma vontade absurda de se afastar mas ao mesmo tempo de voltar acreditar no amor. Só não quero ser vista como fraca, mas sou covarde por negar qualquer amor, paixão, ou qualquer coisa intensa que poderia surgir.
Não tenho medo do futuro, não tenho do que posso me tornar. O amor que eu pude sentir por você foi fácil, e isso me fez jogar as minhas cartas e apostar meu coração, mesmo sabendo que mais cedo ou mais tarde eu iria sofrer. Nunca me importei pelo fato de sofrer, muito menos de amar, mas parece que quanto mais você vive mais você aprende, e assim, acho que virei uma escritora. Escrever me ajudou e me alivia, consigo viver mas também consigo escrever estórias, e só peço que a melancolia dos meus textos ou o amor exagerado que senti, um dia volte. Não há o que reclamar, não há porque de exagerar ou de querer dar volta por cima. A dor é conseqüência de um ato, a dor é responsável da desistência. O amor trás a dor e desistir nunca foi um atitude que eu queria tomar, mas não tive outra escolha. Eu desisti de você, e isso foi difícil. Desistir de algo que sempre quis muito e isso se torna tão sombrio, tão vazio. Implorei para não ver amor demais nas pessoas, implorei para não ver ninguém se amando na minha frente. Mas foi em vão, por onde andei vi apenas casais, casais felizes. E aí senti um pouquinho de saudade, saudade de algo que não vivi e de algo que aconteceu entre as pequenas linhas de nossa história. Uma saudade, um frio, uma vontade inocente de sair por aí sem pensar em voltar ou sem pensar em ser o que fui.
Esperei você voltar mas também esperei que tudo acabasse de uma vez, só para amenizar a dor. E assim foi feito. Realmente não era para acontecer, realmente era para acabar. E não há quem consiga vencer o destino. O amor, aí o amor, ele é uma praga, ele é uma coisa de maluco, mas como é bom amar. E aí, me lembro que o amor é dessas coisas, é nele que a gente se entrega, é nele que há a maior demonstração de pureza e de fraqueza. Me perguntam o motivo de te amar, e eu não sei. O mistério é esse, é procurar amor até encontrá-lo. Amor e suas maluquices, amor e suas complicações. Amor é tão amor, e isso se torna tão puro, que ainda penso que há pureza. E ainda assim, ainda acredito no amor, nessa paranóia, nessa loucura que consome aos poucos, e ainda assim, sou feliz. E ainda assim, continuo a sonhar, imaginar e querer. Porque eu sei que às vezes, uma coisa impossível se torna possível. Porque eu sei que tudo fica melhor, um dia.

28 de abr de 2011

Você não vai mais ligar.




Eu não me importo como antes cheguei a me importar e por falar isso, não quero que isso te afete e não quero que você perceba o quão mudei por isso. Não quero isso, não quero causar o sofrimento de ninguém, nem o desespero mas realmente não me importo e sei que você também não. Não houve alternativa e eu precisei esquecer de sua presença e de sua voz. Sua voz abafada ao telefone e eu me sentia melhor. Não melhor em todos os sentidos mas apenas me sentia leve, algo difícil de acontecer. Você me ligava de noite, e o programa do Jô começava, e então, a partir daí a vida foi ficando mais fácil. Eram ligações, risos e segredos. Eram vazios noturnos, solidão e mais risos. E o resultado da nossa bagunça foi apenas um silêncio absoluto. Ninguém mais falou nada. Eu não te disse como gostava de você, e você não me disse o que representei. Fim de papo. Não há mais drama ou choro.
Era triste quando você passava muito tempo sem me ligar, e eu me cobrava. Relembrava de tudo que lhe disse e pensava que a culpa tinha que ser a minha. Das últimas vezes que você me disse que ligaria, demorou quase três meses para isso acontecer e eu fiquei triste. Triste porque você era igual a mim que não levava promessas tão a sério, mas também fiquei triste porque você havia me esquecido, havia me deixado para um segundo plano. O silêncio se fez presente, mas forte que uma muralha, mas forte que uma barra de ferro.
Mas como era bom, meu deus, como era bom! Mas como tudo acaba, nossa história não levaria outro fim, acabamos. E hoje, estou aqui contando essa história para quem quiser entender. Não sei por onde você está, não sei se casou ou se está namorando. Não sei se ainda gosta de suco de soja ou de viajar. Não sei mais se gosta do curso da faculdade ou se realmente quer mudar. Não sei por onde você anda, é assim que começa a se esquecer? É assim que começa a partir depois de tudo? É assim que começa a ficar adulta?
Depois de tudo comecei a crer que sou uma adulta. Já não olho para o nada procurando você. Já não quero dar a volta por cima só para fingir que estou bem, não quero comprar briga, nem ferrar com ninguém. Quero ficar quietinha, bem quietinha. Quero acreditar no impossível novamente, mas não vou entregar-me para essas loucuras. Quero acreditar no amor, na paz, e na fé. Ando querendo ser feliz, ando querendo conhecer novas rotinas e outros amores. Quero que você saiba que tudo isso passou para mim, e mesmo assim, me sinto idiota por te ver como grande amor, aquele que no fim das contas eu nunca superei.
É verdade, você não me liga, não me dá notícias, simplesmente sumiu. Você sumiu e eu não quero ir atrás, não quero mesmo. Mas no fundo, te amar seria a salvação. Te amar era o que poderia trazer a fé mas ao mesmo tempo não era fácil, poderia até mesmo retomar essa maluquice que tinha umas pontinhas de sanidade. Não quero voltar atrás, não mesmo. Tudo foi feito, e você me tratou como um lixo e eu não mereço ser tratada assim. Não vou esquecer o seu desprezo pesado em cima de mim, não vou esquecer as noites que eu falei e você simplesmente se calou, mas também, perdoei. Sou dessas que perdoa, mas não esquece. O seu silêncio me destruiu.
E como uma menina que não aceita ser fraca, fui atrás. Me humilhei, rezei, implorei em silêncio, quis até te matar para você matar que era eu que precisaria mudar sua vida, era eu que iria te salvar dessa vida tão chata. Mas, você ainda sim escolheu o silêncio. Você não se importou comigo e eu me senti triste, triste porque era a única chance na época de que eu poderia tentar ser feliz. Eu sei, adoro amores impossíveis, sonhos, búzios, horóscopos. E em cada um deles eu saí em sua procura. E ainda assim não aceitava, eu precisava saber se você sentia alguma coisa por mim.
E o tempo passou, não tão rápido como eu esperava, mas ufa, passou. Tem sim, existem outras chances agora para sair dessa estupidez. Parei de dramatizar o fato que você nunca me amou. Perdi tempo em alguém que nunca viu em nada. Mas me acalmei, cansei de clichês falando que o novo dia sempre existe. Então, o que eu tenho para falar é que espero que tudo mude novamente. E que esse vazio que me consome acabe. Não quero me importar com você, nunca mais.  E agora, depois de dois anos, ligo a TV e há o programa do Jô. Mas não há nenhuma ligação, não há você em mim, mas também não fico mais triste querendo que você me ligue ou que você chegue. Te espero entre linhas, te espero em pouco espaço que ainda resta. Te espero mas não evito de seguir a vida. Espero ainda sua ligação para fazer o meu dia ser melhor, mas no fundo, não quero esperar o que vem de você. Mas deixo assim.

26 de abr de 2011

O sorriso




Não vou te falar que chorei, não mesmo. Sou uma menina forte, uma menina muito bem resolvida e com o coração de gelo. Imagina, eu não amo ninguém. Na verdade, eu amo todo mundo, me dou por completo e acabo sozinha. E isso é triste demais, doentio demais. E agora, depois que resolvi a crescer. Não quero que você sofra só porque eu não te amo como antes. Não quero me vingar de você, nem das meninas que te usaram. Não quero que minha raiva cresça quando ver algo que não me agrade e não quero que o meu ciúmes atinja ninguém. Mas também não sei se quero ou não que você seja feliz sem mim. Talvez sim, talvez eu queria verdadeiramente que se lembre sempre quem eu fui e o que sou hoje, quero que se lembre de mim com carinho, não com pena ou com amor intenso, mas apenas com saudade. Saudade leve também, não quero que te culpes ou que permita-se ser culpado. Não foi culpa de ninguém, talvez nossa, talvez do mundo, mas deixe isso passar. Estou bem, e sem nenhum remorso. Não fiz ninguém chorar, nem sangrar. E isso me deixa aliviada, você sempre soube que nunca gostei de causar dores em ninguém. O que eu senti foi puro e até arrisco em dizer que chegou até ser sagrado. E arrisco mais ainda em dizer que jamais irão sentir por mim o que eu senti por você. Jamais irão escrever para mim como escrevo para você, e não sei se isso é motivo para ficar feliz ou triste.
O nosso amor se acabou e aos poucos eu fui caindo sem saber onde iria ter fim. Só queria que tudo acabasse o mais rápido depressa, só queria que o tempo passasse o mais rápido possível, porque foi difícil acordar e ir dormir tendo cada vez menos certeza que você voltaria. Foi difícil acordar e ir dormir todos os dias na esperança que tudo mudasse e tudo ficou só na vontade, a esperança acabou e você não voltou. O nosso amor se transformou em um texto apagado, amarelado. O nosso amor se transformou em lágrimas, em suspiros noturnos e em abraços vazios. Queria que você pudesse me ver como a menina que mudou sua vida, mas tenho a certeza que estou entre aquelas que poderia ter mudado e que você evitou. Nosso amor se transformou na página final de um livro, mas todos esperam animados e aos gritos que você volte.
Não quero que sua volte seja algo forçado. Não quero ser a rainha do drama. Não quero que sintam dó de mim. Sou acostumada com perdas, mas também sou acostumada com algumas vitórias. Mas pensei muito tempo que fui fraca mas descobri que sou forte. E se eu sei sorrir hoje, é porque eu já chorei muito. Se eu tenho a força e a fé que tenho hoje, é porque já sofri muito e assim, aprendi dobrado. Para esse dia que está nascendo um novo recomeço. Um novo dia cheio de fé, e de esperança. Fé para conseguir vencer, e esperança para encontrar o que tanto se procura. Se eu pudesse te abandonaria primeiro. Mas você foi mais rápido, você me deixou sozinha e eu tive que aprender a viver, sem você, sem ninguém. Parabéns, você me fez entender que não sou fraca. Você me fez entender que sou sim, sou uma mulher forte.
Eu só queria que você estivesse aqui. Só queria que você chegasse e pudesse dizer que sempre me quis bem. Só queria que você pudesse me amar. Só queria… mas para te falar a verdade, não espero mais nada de você, absolutamente nada.
Não quero saber se vai ou não chegar. Mas quero que guarde que isso, quero que guarde que você tem um papel na minha história. Quero que se lembre de mim, e quero que um sorriso saia de seus lábios quando isso acontecer. E outra coisa para terminar, quero que você saiba que quando me lembrar de você estarei fazendo a mesma coisa. Vou sorrir milhares de vezes quando me lembrar de seu modo de imaginar as coisas, vou sorrir quando seu nome for falado, e vou sorrir quando contar essa nossa história e sem querer a ouvinte sorrir com pena. Vou me lembrar de você e sorrir mais puro que houver e com mais saudade que conter. Mas será o meu sorriso mais feliz e o meu sorriso mais triste. Feliz, porque você existiu e eu pude fazer parte disso, e triste porque você já não estará mais, como nunca esteve, perto de mim.

25 de abr de 2011

Always





Tudo se acabou e eu me acabei pensando que tudo seria diferente. E não há mais nada reclamar. Você está longe e nem se lembra mais do meu nome. Sempre me gabei por ser do jeito que sou, mas tudo que eu quero é mudar meu jeito. Eu só queria que você chegasse e me prometesse que tudo ficaria bem, e que nunca fomos em vão. Queria que você pudesse sorrir para mim sem culpa alguma, e pudesse ser sincero, pudesse esquecer dos seus erros, e que parasse de se culpar tanto. Queria sim que você chegasse, e ficasse. Não fosse embora como sempre fez. Não despertasse todos os sentimentos para depois fingir que nada aconteceu. Não queria que você partisse mas você não queria ficar e eu não tive outra escolha. Tive que abrir mão de algo sonhado, tive que abrir mão de você e de toda maluquice desse sentimento.
Eu sei que sou maluca por escrever isso, já que tive tanto medo que você pudesse ler isso tudo. E eu sei que sou maluca ao ponto de assumir tudo isso, mas quero que desde já entenda tudo que eu senti. Nada disso impediu que eu te amasse, nada disso impediu para que te desejasse o bem, nada disso impediu para que eu continuasse escrevendo sobre a sua ida. Nada disso iria impedir para que eu pudesse lutar contra você, mas você não deixou, você evitou esse tempo todo, e eu só podia fazer uma coisa, eu só poderia aceitar. Não havia outra alternativa. Não iria ficar sozinha aqui, não iria ficar chorando por ele que nessas horas está contando sobre sua vida amorosa agitada. Mas verdadeiramente queria que você voltasse e dissesse que tudo passou de engano. Que vai me amar quando menos eu merecer e que acreditará em nossos planos. Que até mesmo deixaria de ser covarde. Menino bobo, você não passa de um menino bobo que espero ansiosamente que cresça. Já não ouço A nossa música, e nem passo nos lugares que possa me trazer você de volta em minha mente, evito pensar em você. Evito falar seu nome, evito entrar em contato novamente com seu mundo. Always, Forever, The end.
Uma pena que tudo isso não seja always, true Love talvez. Só espero que eu tenho um papel enorme em sua vida como você teve na minha. Só espero que se lembre de mim. Não como a louca, nem como a menina sozinha, mas como algo bom que aconteceu na sua vida. Espero que sinta saudades de mim. Espero que pense em mim, e conte para quem for sobre nós. Espero que você volte e me mostre que nada disso foi em vão. Always, o futuro está chegando e você não está mais do meu lado. The End, já não sou tão sozinha, já não sou tão melancólica como antes. Me acabei descarregando em você meus sonhos, meus planos, meu futuro. Descarreguei em você meu mundo esperando que tudo pudesse ser recompensado. Depositei em você meus medos. Nunca, ninguém havia me conhecido tão profundamente. Nunca fui tão exposta como antes. E eu nunca tive vergonha de quem sentir. Mas como posso desabafar e não ser taxada de louca? Como posso continuar vivendo algo que para você já acabou?
Always, te espero e espero que você me espera. Always, fique bem. Always, Always. Tudo foi lindo, mas é preciso deixar para trás. É preciso seguir e viver. Se te encontrar por aí, tudo bem. Se eu te não encontrar, tudo bem também. Fiz a minha parte e espero que se lembre disso. Always.

24 de abr de 2011

Eu aprendi e você?


Se fosse possível, eu não te deixaria sofrer. Se fosse possível, você viveria para sempre dentro de mim e assim, mal algum te afetaria. Se fosse possível, gostaria que você me amasse. Se fosse possível, tudo isso acabaria melhor do que esperado. Mas você não me ama, você vai sofrer um dia, você vai se apaixonar e alguém vai te iludir, essa é a lei da vida. E eu não posso controlar algo mais forte do que eu, também, não quero controlar nada. Quis controlar o mundo e olhe o jeito que fiquei, acabada e sem esperança alguma. Não quero mais controlar a vida nem o destino. Não importo se não houver sonhos ou ilusões. Quis tanto, desejei tanto e não adiantou de nada. Hoje é páscoa, e páscoa lembra renascimento, ressurreição, lembra algo que estava morto e voltou a viver.
Para comemorar, minha fé estava morta e hoje, ela renasceu. Há fé, força e paz dentro de mim. Mesmo que ele não me ame, eu precisaria continuar de qualquer forma. Minha vida não se resume apenas no que criei, minha vida não se resume apenas nisso. Há outras coisas para viver. E assim, continuarei, não desistirei de tentar te encontrar seja onde for. Eu sei que por aqui é a maneira mais fácil de buscar essa sede, de me entregar em pequenos fatos. E assim, você vive. E assim, acabou um dia e logo aparecerá o outro. E sei que um dia você lembrará-se de mim e se perguntará onde estou. Mas aí se lembrará que sua covardia foi enorme, e que talvez, eu já tenha deixado de existir dentro de você. E assim, estaremos perdidos para sempre. Não que eu acredite em forever, não que eu acredite em infinito. Mas espere um tempo e perceba que quem está do seu lugar hoje não estará no amanhã. E você sabe que dói, e eu sei o quanto dói. Mas a gente aprende na dor. E eu aprendi assim. Aprendi que o amor existe enquanto dura, e às vezes, o final feliz acontece. Mas aprendi também que você não se dá o valor, jamais ninguém dará. Aprendi que o coração poderá se quebrar com uma frase mal falada, e você pode chorar por coisas monótonas. Aprendi que nem sempre tudo que deseja é verdadeiro e nem tudo que se abandona é falso. Nem tudo que te faz rir irá te fazer sorrir para sempre, mas tudo que te fez chorar um dia, irá te fazer chorar em outros e outros dias. Tudo que você sofreu, tu podes tirar isso como lição. Mas tenha a consciência que sempre estará aberto para sofrer novamente, não pense que irá passar por essa vida sem derramar uma lágrima de amor mal resolvido. Amor mal resolvido dói muito mais do que amor que acabou. Amor impossível dói muito mais do que um namoro terminado. Não é porque você chora hoje que será incapaz de sorrir daqui a pouco. Não é porque você o ama que irá ser eterno. Não é porque tento ser uma mulher resolvida que talvez eu consiga ser uma. Não é porque eu escrevo hoje para ele que eu tenha que pensar nele todos os dias.
Aprendi coisas que jamais o tempo pode mudar. Cada um tem seu valor. Um erro muda. Mas uma palavra apenas também. Um "obrigado" muda sua vida. Uma palavra com forma de carinho também. Mas meu amor, uma palavra mal falada pode te fazer sofrer pelo resto de sua vida. Pense nisso. Não sofra, não queira fazer ninguém sofrer. Eu pude aprender, e você? Aprendeu?

23 de abr de 2011

O conto fechado



Precisaria escrever milhares de textos para poder dizer tudo que já passei. Poderia até mesmo dizer que estou magoada ou ferida, quem sabe. Poderia escrever textos com saudade ou até mesmo com raiva. Mas não consigo ser assim. Sempre tive medo da rejeição e da dor. Sempre evitei quando pude, e sempre fugi quando o necessário. Nunca fui intensa com ninguém, nunca fui tão aberta e explorada como fui nesses anos todos. Depois de meses e anos, pude descobrir, ele me conhece mais do que qualquer outra pessoa. Mas isso não poderia levar em consideração porque sou exposta. Ouvindo Nirvana, me concentrando para criar esse texto e tentando ser melhor, percebi que, já não há motivos lógicos para deixar minha dor num patamar. Ela é sem graça, no começo sim, doeu. Eu sou dolorida, sonhadora, e virginiana. E nunca neguei isso. Sempre pensei em viver sem me deixar abater, sem que nada me abalasse, mas sou assim. Sou extremista e intensa. Mas além de ter tudo isso, eu te amava. E isso era a parte boa que precisava ser lembrada. Eu amava quem você era, e amava seus atos tão controlados. Amava seu sorriso, e seu olhar intenso. Amava porque você acabou se tornando impossível, e eu gostava disso. Gostava de te imaginar comigo, e gostava já de pensar como seriam os nossos filhos. Gostava de saber que uma vez ou outra você pensava em mim, e que também me imaginava. É uma pena que nada saiu conforme o combinado. Eu não iria me apaixonar por você. Nunca quis me apaixonar, e sempre fugi o quanto pude disso. Mas quando percebi que já estava apaixonada, era tarde demais. Não havia mais escolhas para fugir, não havia nem vontade para isso. Queria ficar, ficar, ficar e ficar. E eu sabia que o meu menino se tornava um homem, dia após dia fazia questão de me deixar longe de seus planos. Nunca fiz parte de nenhum deles. E isso me deixava triste mas ao mesmo tempo me deixava com esperança. Vi coisas em você, e você o que viu em mim? Nada.
Me falaram uma vez que minha história seria um conto fechado. E ele fez parte disso tudo. Depois de um tempo percebi realmente sentido de ter amor próprio. Nunca tive isso, e comecei a ter. Comecei a me valorizar.
Sinto falta de querer você por perto, mas com tudo isso, tive que parar de te querer. Você não queria mais ficar comigo, não queria nem ao menos tentar me entender. Você me entendia e eu me sentia compreendida. Espero que o tempo passe rápido para que a dor suma de uma vez. É uma dor suportável, não é grande, não merece ser lembrada, mas dói. E eu não queria viver sendo dolorida. Ninguém quer alguém dolorida. Nem mesmo você. Ter a noção que estava perdendo sua companhia foi uma das piores coisas que poderiam acontecer, e eu sentia falta do que você era. Sinto falta de ligar só para ouvir sua voz. Sinto falta de você dizer que queria ter filhos um dia e eu achava que era comigo, pobre, coitadinha de mim que pensei nisso. Eu adorava o jeito que você tinha de trocar os nomes das músicas e de logo dizer que tinha ouvido a tal música que te contei. Era tudo tão bonito e eu não aceito que esteja ficando velha demais para passar por isso. Foram muitas lágrimas mas também houveram vários sorrisos. Houve reclamações mas também houve poucos e bons elogios. Sempre gostei de demonstrar a insensível e você sempre gostou de aparentar o pegador do século. E assim, aos poucos fui parando de pensar, e fui dando espaço para que outras coisas aconteçam. Outras festas, outros amores, outras soluções para os velhos problemas. A sua falta me fez entender inúmeras coisas e me fez querer ser cada vez melhor. Foi uma dor que deu certo. Foi um amor imenso que acabou sendo retratado e relembrado. Não fui igual as outras meninas que você conhecia, e isso me fez sentir importante em sua vida. Fui um conto, um parágrafo, um capítulo. O seu desprezo era maior que seu ego. A sua vontade de não me amar foi algo que deu também muito certo. E eu fui querendo ter esperanças e fé. Fui querendo acreditar em milagre. Mas descobri que sou muito do que ele precisa. Sou complexa demais para um cara normalzinho. E isso nunca me fez estranho, ao contrário disso, me senti como todas as outras. Chega de tentar ferrar comigo mesma. Chega de tentar ser uma adolescente inconseqüente.
Todo mundo me dizendo que precisava ser feliz. Todo mundo me lembrando constantemente que merecia alguém melhor. E de tanto falarem, comecei acreditar que depois de tudo que passei, mereço e preciso ser feliz. Jamais vou me esquecer de você, mas preciso fazer igual a você, vou continuar seguindo minha vida. Se for, será. Se eu tiver que te encontrar, tudo bem, encontrei. Mas enquanto isso, só quero seguir em frente. Somente a frente. Somente isso. E parece que o conto fechado já não está tão mais fechado assim. Parece que a dor acabou e a sensação de fracasso também.

22 de abr de 2011

O terror do amor.



Existia uma voz dentro de mim que dizia que tudo isso iria passar. Quando a solidão apertava ou o vazio aumentava a mesma voz falava que era só fase. E eu não queria acreditar nisso. Esquecer de tudo seria esquecer-se de mim, de você, de nós, e daqueles que foram e que se acabaram. E que se foda o futuro, pensei. Mas você foi embora, e aí veio o terror e o amor. Não assumia que te queria por perto mas também jamais neguei. Já se passaram alguns meses, mas para ser mais exata, já se passaram alguns anos e agora me sinto na obrigação de te falar isso. Eu te amei sim, e jamais negaria isso. Nem daqui cinco ou dez anos. Jamais negaria o quão especial me fez sentir, mas é uma pena que você foi embora. É você foi embora como se eu não fizesse mais parte de sua vida. E eu precisava seguir em frente, mas não sabia nem ao menos como começava a seguir em frente. Eu não sabia viver e mesmo assim, não fazia a mínima questão de mudar. Minhas coisas foram ficando monótonas, e eu fui ficando amarga, triste, sem saber quem realmente eu sou e quem realmente estava sendo. Claro que hoje me arrependo de ter sido vazia com tanta gente. Me arrependo e peço desculpas para aqueles que magoei, usei, e fiz de gato e sapato. Não era por escolha. Tudo bem foi por escolha, mas tudo isso alivia ao menos por saber que estou arrependida? Tudo havia se transformado e eu não poderia parar, não naquele momento, não naquele meio de caminho entre desapego e drama. Você me tornou sofrível e sensível. Você me tornou no que eu não era. Mas ao mesmo tempo, você fez com que tivesse vontade de sair por aí, conhecendo pessoas, contado casos, mas ainda sim, me tornei vazia. Eu queria que você sofresse com o meu distanciamento, queria que chorasse e implorasse para que eu pudesse voltar a ser o que fui com você, mas nada disso aconteceu. Você não pediu para que voltasse, você queria seguir em frente, e eu ainda estava naquela briga infernal comigo mesma.
Gostava de querer descobrir o que você tinha, gostava de sua arrogância, e de seu jeito irônico de falar comigo. Gostava do jeito que você olhava meio cabisbaixo, meio prepotente. Gostava da sua voz abafada como se aquele momento você estava comendo todas as meninas e ainda sim, me ligando. Gostava daquela sensação de moleza que me dava quando desligava meu celular rapidamente, e das minhas crises existências que você sempre falava. Você gostava de mim? Você chegou a me amar? Você se sentiu mal quando soube que jamais poderia corresponder o amor que eu sentia? Eu sei. São perguntas que levarei comigo. Eu te achava um cara sem atitude, mas aí descobri que você só não tinha atitude comigo, e isso me infernizava. O que elas tinham que eu nunca tive? O que elas foram e eu nunca cheguei a ser? Era fato. Eu era sua por onde andava. Opa, olha ali um cara com o seu sorriso. Opa, olha ali, ele fala igual a você. Opa, olha ali, ele tem um amigo em comum. Opa, olha ali, ele mandou um amigo me adicionar no Orkut. Ok, mulheres quando estão apaixonadas é um verdadeiro perigo, e comigo claro que não seria diferente. Vi amor onde não existia. Se ele me ligava, olha ele me ama. Se ele fosse irônico, olha ele me quer por perto. Mas coitadinha de mim, não era amor, nunca foi. Vi muitas coisas no vazio. E vou continuar vendo porque sou assim.
E aí, veio sua partida. Como assim? Por que sumiu? Por que não me ligou nunca mais? Por que o mundo ainda continua feliz sendo que estou pouco me fudendo para tudo? Por quê?E você foi ficando cada vez mais longe, cada vez mais inalcançável. E doeu. Doeu porque eu tive que aprender a viver, tive que me entregar para poder aprender. Tive que me apaixonar platonicamente por aí só para conseguir finalmente respirar aliviada. Todo aquele sentimento transbordava em cima de mim e eu não tinha outra maneira a não ser aceitar. E aos poucos, fui aceitando até o que não era para ser aceito. Mas aceitei coisas que a minha realidade pedia. Ele não me ama, ok. Ele nunca me amou ok. Ele tem uma namorada, não tão Ok assim. Foi difícil juntar, não é assim que se diz? Foi difícil unir as peças. E eu não queria acreditar em quem chegasse em mim e dissesse que você me amou. Porque eu sabia, sempre soube. Você nunca me amou, e mesmo assim, eu te queria. Mesmo que você não me amasse, eu te amava por mim e por você. Queria que você chegasse um dia e dissesse que sempre me amou, que sempre me quis por perto. Mas é uma pena que nada disso possa acontecer. Você está longe, está feliz, está cheio de vida. E eu não fico atrás. Eu estou bem, não me importo se vou ou não me apaixonar futuramente. Se bem que há um menino que anda mexendo com a minha imaginação, mas eu não o amo.
Sua partida chegou, e eu ainda continuava naquele mesmo lugar, muito mais com medo do que com amor. E eu não sei se foi amor, se foi esforço para que existisse algo diferente. Mas eu sabia que você mexia com o que eu pensava. Você era o que me dava força, e sem você, fui vendo que posso ser feliz sem você, posso até fazer alguém feliz. Eu queria que você voltasse, mas antes de tudo isso, queria ser feliz com você, e se isso for impossível, que sejamos felizes separadamente. Mas mesmo assim, felizes.
Vai passar, vai passar, vai passar. E aquele virou mantra, eu sabia que passaria. Eu sabia que tudo isso iria passar. E sendo assim, passou.

21 de abr de 2011

A mulher bem resolvida



Eu não queria fazer parte das desiludidas do ano, ou para piorar a situação, fazer parte das desiludidas do milênio. Tenho muito mais o que viver e fazer do que ficar sofrendo por alguém que agora consegue muito viver sem minha voz ou o meu jeito. Claro que dá saudades dele, do sorriso dele, do jeito dele na minha vida. Mas eu fiz tudo que pude fazer um dia, absolutamente tudo. E ele não voltou, e talvez jamais vá voltar, porque ele não me amou, ele não me quis por perto por tanto tempo, e eu também não vou querer ser o que faz parar, não quero ser vista como freio de ninguém. Mas tudo isso vai muito além de qualquer menina Mal resolvida que vive em mim, tudo isso vai muito além de signo, de zen, de budismo ou qualquer coisa que acontece de paranormal.
Porque agora há um menino nisso tudo, há um novo menino que anda me tirando o sossego e resolvi gostar dele. Como se tivesse alguma escolha, como se eu pudesse escolher. Mas acordo com a intuição de que ele me veja melhor, que ele saiba que sou bem, e por isso, resolvi ser a mulher resolvida do século. Mas espera aí, desde quando uma mulher bem resolvida tem um amor platônico? Desde quando uma mulher bem resolvida vai nutrir um relacionamento a distância e ainda assim, platônico?
Eu tenho que ser a mulher bem resolvida. Preciso acordar a mulher bem resolvida que existe em mim. Cansei de assustar todo mundo com o meu jeito fodona de destruir corações. Cansei de assustar todo mundo por ser tão rápida e explosiva. Mal me lembro dele. Mas às vezes, de vez em quanto, penso que tudo poderia ter sido diferente. Penso que eu estaria com ele ainda, e que ele me amaria. Mas isso não aconteceu. Isso talvez nunca vai acontecer e me deixa triste novamente.  Tudo isso poderia ser evitado. Tudo isso poderia ter acabado sem nenhum brilho. Porém, vocês me conhecem. Sou dramática e elevo demais coisas que jamais deveriam ser aumentadas. Aumentei a dor para que pudesse ser lembrada como A dor, como O amor, como O cara. Mas ele não passa de um homem, um homem que está descobrindo o que quer da vida.
Não adianta ficar falando sendo que não há mais ninguém para me ouvir. E cansei de ser sozinha, de brigar sozinha, de sofrer sozinha, de amar sozinha. Amor unilateral é tão triste e eu sinto isso a toda hora. Briguei tanto, quis tanto, coloquei tanta fé, e tudo continua muito igual. Parei num único lugar que não me deixa seguir em frente. Mas eu sou uma mulher bem resolvida, eu sou, juro que sou.
Sou exagerada ao ponto de criar esse texto me querendo ser uma mulher bem resolvida que não existe. Sou exagerada ao ponto de sentir saudade de coisas que nunca vivi e que jamais vou conhecer ou até mesmo, jamais vou tocar. Meus amores platônicos acabam sendo minhas essências. Meu jeito dramático foi o refúgio que pude encontrar para conseguir viver maquiando os dias. Cansei de correr em círculos. Cansei de me destruir por uma dorzinha sem luxo algum. Cansei de ver todo mundo apontando o dedo e falando como devo ser. Cansei, cansei, cansei. Vou cansando mesmo sabendo que jamais me cansarei de verdade. Vou querendo esquecer o que não vou esquecer tão fácil. Vou ser a mulher resolvida que sempre quis mas jamais vou deixar de ser a menina que existiu.

19 de abr de 2011

Você foi embora.



Ele foi embora. Ele foi embora e fim. Ele foi embora e eu chorei. Ele foi embora e eu fiquei. Ele foi embora, e eu pouco sorri. Ele foi embora e eu troquei a cor do meu cabelo. Ele foi embora e eu sinto saudade. Ele foi embora e eu não tenho mais a quem dedicar meus textos. Ele foi embora, ele foi embora... Ele foi embora...
Uma lerdeza terrível de não querer dar a volta por cima. Uma lerdeza horripilante de estar satisfeita. Uma lerdeza, um sono infinito. Mesmo sabendo que infinito existe só em números e estrelas. Mas talvez sejamos isso, somos estrelas mortas. Morremos há tempos e ainda continuamos brilhando. Morri na sua vida para que existissem outras meninas.  E se quer saber, você nunca morreu para mim, pelo simples fato que não dá para matar algo que já se matou. Não dá para matar a mesma coisa duas vezes. Você morreu dentro de mim para continuar vivendo. E não é justo, não é nada justo.
Perdi a noção do tempo, e enquanto isso eu queria que você me amasse, eu só queria isso. Mas você foi incapaz. Você não me tocou por medo. Você nunca mais me disse nada que pudesse me arrancar um sorriso bobo. Você não mais me fez sentir viva. Você simplesmente foi embora, como se eu fosse um conto velho na sua história que precisa ser deixado para trás. Você foi embora sem medo. Você foi embora lindo, e cada vez mais misterioso. E eu não sei o que pensar, porque eu morri. Acabei com as minhas esperanças e com qualquer forma de fé que residia em mim. Eu me acabei. Acabei pensando que tudo seria diferente, que finalmente, me curado dessa maluquice de me torturar. Mas que pena que me enganei.
Não era maluca por escrever para você. Era maluca por você. Está a diferença. Era a louca que poderia sentir tanto amor que o mundo em si virou o próprio sentimento. Era seu nome escrito em todos os cantos, como se eu pudesse esquecer. Era seu sorriso na boca de outros caras. Era seu olhar de peixe morto nos olhares de quem eu quisesse. Era seu tom de voz no lugar da voz do meu ex-namorado. Era seu jeito que eu via em todos os lugares que passei. E eu sabia que era loucura. Eu sei que se continuar escrevendo sua volta não acontecerá. Mas se parar, parou.
Deixar de te amar seria a maior loucura que poderia acontecer. Deixar de insistir em algo que sempre me deu fé, foi a coisa mais surtada que poderia ter me acontecido. E eu parei, parei porque eu precisava me sentir amada, e você nunca me fez isso. Nunca me amou, e se amou, nunca me disse. E eu queria tanto saber. Você já gostou de mim? Gostou de mim mesmo sabendo que tenho todos os quesitos que assusta um homem? Gostou de mim mesmo sabendo que estava impossível demais para afetar sua vida?
Comecei a não te ver em mais nada. Nem no meu cabelo que já está preto ou nem no pão de queijo que eu avistava na cozinha. Comecei a te ver como um homem, não menino, não inocente, mas um homem que sempre soube o que quer. E é uma pena que eu não estava nos teus planos. É uma pena que eu te quis tanto e você nunca me quis. Eu sei que sou a rainha dor-de-cotovelo. Eu sei que o meu drama te diverte. Mas eu sei também, que um dia você soube de tudo e preferiu não fazer nada. Eu sei que te dói às vezes, ou não. Eu sei que se lembra do meu riso nervoso, e o meu tom de voz calmo.
Não há mais o que se esperar. Você foi embora. Apenas isso. E eu também fui. Minha vida já não é a mesma, como a sua também já não deve ser mais a mesma. No meu mundo não há você. No seu mundo não me tem.  E vou continuar te procurando em outros mundos. E eu vou tentando te descobrir em outras coisas. Só para sofrer um pouquinho, só para lembrar de tudo que um dia esqueci. E vou continuar vivendo, e você também continuará. Mas só nós dois sabemos o quão um marcou o outro. E outros irão saber o que passou, porque simplesmente, você sairá desse texto. Você sairá para sempre e nunca mais voltará. Será feliz com outra moça, talvez morena ou loira. Mas será feliz, e eu quero isso. Quero que seja feliz mesmo sabendo que poderia ter sido feliz comigo. Quer algo mais corajoso do que desejar que o outro, que eu amei muito, tenha a felicidade que sempre que quis? Não sou medrosa, nem covarde. Mas não quero que me veja como louca, e por isso, fechei a boca. Não falarei nada, absolutamente nada. Não reclamo, não brigo. Não me esforço. Não me importo algumas vezes.
Quero que a vida continue, me leve longe daqui. Que me carregue, e que aconteça. Que o encontro aconteça, que o sofrimento acabe e que eu possa continuar respirando aliviada.
 

18 de abr de 2011

Hoje é seu.





Toma, esse texto é seu. Toma, esse coração foi seu. Toma, me pegue e me carregue para onde eu não possa sentir essa dor. Me carregue daqui e me faça crer que tudo será melhor, que amanhã será melhor e que eu vou parar de chorar. Me carregue e faça acreditar que um dia a gente vai voltar a se reencontrar e você vai dizer que sempre fui a mulher de sua vida. Me carregue, me sugue, me diz que um dia vai voltar.
Porque eu sou carente e essa é minha essência. Passei muito tempo ligada em você que não sei recomeçar, só sei que queria continuar com essa loucura, com esse podre, mas chega uma hora meu bem, que puft. Porque eu sei que sou assim, e eu sei que não preciso que falem isso. Sou impulsiva, estressada, e teimosa. Mas é a minha personalidade, é apenas isso. Eu sou assim, meu modo de conseguir sobreviver é isso. E que se foda o que pensaram da gente, menino.  Estou acostumada com o que dizem, mas não estou acostumada com o que eu sinto.
Doeu, doeu muito. Porque cada dia era uma entrega sem saber se teria a devolução. Cada dia foi um novo desafio para tentar ser melhor, e olhe, eu consegui. Hoje, eu sinto falta, e já me imagino minha vida sem a tua presença que era tão esmagante. Hoje, eu sinto sua falta porque me dói muito, porque eu estou dolorida. Mas eu sei que você está bem, e não tenho mais o direito de me infiltrar na sua vida tão bonitinha, tão fofinha, tão perfeita.
Você é a parte da minha história que merece destaque, você e seu nome merecem ser guardados sem nenhum ressentimento dentro de mim. O que você me ensinou nesse tempo? Oras, tantas coisas. Você me ensinou a ser mais humilde, a aceitar as vontades da vida e do destino. Ensinou que tenho que parar de ver apenas o meu mundo e começar a examinar os outros lados, os outros mundos que criaram.  Ensinou que, às vezes, eu não vou conseguir tudo que eu quero, mesmo que eu deseje tanto. Porque você sabe, todos sabem até melhor do que eu. Eu te quis muito. Queria você do meu lado para te contar meus medos e os meus dramas mexicanos. Queria que você me abraçasse e falasse mais uma vez que tudo isso era apenas uma fase. Queria que você pudesse me olhar, não como uma amiga inútil que muda sua vida, mas como o que você sempre quis. Talvez sim, talvez fomos o que podemos ser. Já dizia a música de Renato Russo. Fomos o que podemos.  Talvez, o que podemos ser já fomos. Fomos o que nunca foram.
E me dá uma saudade descontrolada e devassadora. Estou longe de ser a devassa em pessoa, mas isso me faz transbordar. É tão você em tudo. Era o que eu andava, comia, falava e lia. Eu lia o que você me indicava, ouvia o que você ouvia, ia aos restaurantes de seu alimento preferido. Eu andei procurando por você durante meses, para não dizer anos. E eu vou continuar te procurando e até mesmo encontrando no meu sorriso desesperador quando logo começo a dizer sobre você, nos meus abraços tão carentes, nos meus trechos tão vazios. Vou continuar te encontrando e querendo te manter vivo, mas mesmo assim, continuarei tentando viver como você fez.
Eu tenho medo, mas esse medo em vez de me afastar só me leva para o meu passado. Você está feliz, e eu fico feliz por isso e ao mesmo tempo fico triste, muito tristinha essa minha vida. Sabe, comecei esse texto tão menininha, tão sozinha. E parando melhor para pensar, já está na hora de saber o que quero realmente da vida, está na hora de te deixar para trás, mesmo sabendo que eu o amei tanto.  Você tem as cores do verão, você é tão docinho, tão difícil, tão complicado. Tem os olhos profundos e que me enganam. Tem um coração que ninguém sabe o que realmente se passa. E insistir em você seria insistir no mistério da vida.  Você me fez acreditar, e por isso, merece ter destaque no meu dia, depois de tanto tempo. Eu te amei muito, quero que você guarde isso, quero que se lembre e (re)lembre quantas vezes for possível. Eu te levarei comigo, guardarei seu jeito e sua voz abafada, e é só saudade, apenas saudade que existe e insiste em mim.Se fosse possível te defenderia das dores do mundo. Não quero que você sofra, não quero que você se culpe, nem quero te ver infeliz. Quero ver você seguro de si, lindo como sempre foi, e com os mesmos olhos lindos que queria ser engolida por eles. Me pareço bem resolvida? Pois é, às vezes, tudo que eu quero é crescer, tudo que eu quero é que essa infantilidade que criei de sofrer por você acabe, mesmo sabendo que você jamais vai voltar. Eu só quero que você seja feliz, em paz. E eu quero ser feliz, muito feliz. Não pelo simples fato de merecer, mas pelo fato que preciso ser feliz. 

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©