30 de nov de 2010

Alguma coisa assim.




Me sinto velha, mas ao mesmo tempo me sinto nova. Sei que aqui dentro, carregando o meu mundo, carregando você, carregando os novos amores, eu considero que tenho forças, mas não sei exatamente o motivo e nem o fim. Mania chata de querer ver amor aonde não existe. Ótimo. Ele me olha, eu o olho, ele me olha, e eu o olho. E assim acabou a noite. Sem nenhum Boa tarde. Sem nenhuma forma de educação de ambas as partes. Sou tímida, bochechas ficam coradas, mas gostar dele? Não, eu não gosto. Amor para mim foi uma vez e vai me doer pelo resto da vida. Amor só se for de uma ou duas noites. Amor não. Paixão.
Ele usa a marca da camisa que eu sempre quis dar para algum amigo meu de presente, acho linda. Ele é aquilo tudo e mais um pouco. Não, ele não pode ser tudo isso. Se for, minha saúde mental que consegui recuperar se vai novamente e ficarei de novo aqui.  Não é meu príncipe, não é o meu amor eterno, bom, não por enquanto. Porque no fundo, eu cansei dessa história cedo. Porque me lembra algo ruim, me lembra a falta, o vazio, isso tudo que vivi por tanto tempo. São hoje vinte & sete dias e eu pensei que nem ao menos iria sobreviver. Pensei que logo desistiria dessa bobagem, pensei que até mesmo voltaria ao início. Procuraria o homem que me deixou mal. Mas ainda bem que não aconteceu isso.
Deveria aliviar essa tensão que eu estou. Deveria aliviar porque eu escrevo e assim, eu julgaria certo um amor. Mas não vejo graça nisso. Ele só me olha. Ele não vê meus medos, meus assuntos, e até mesmo não consegue prever o tanto que eu faço planos, olho no espelho, arrumo o cabelo, decoro uma frase, vejo se o meu tom de voz está bom. E na hora de por em prática. Socorro! Não te olho direito, só quero sair daquele lugar. Ele é lindo. Tá, não é lindo. Tudo bem, ele é lindo. E eu sem reação. Sinto meu coração na garganta. E ele se aproxima lindo e indiferente. Só consigo colocar a mão no meu pescoço e ver se realmente meu coração está disparado. É Carma? Tanto faz.
Sou insegura, medrosa, teimosa, e o pior, não aceito que o fim esteja próximo. Não aceito o Fim como resposta. Não aceito isso. Não. Mas agora, quero ver meu futuro. Quero ver se o meu olhar com o menino que só consegue me olhar vai dar alguma coisa. É a vida fazendo sua magia. É a vida lembrando que o sol amanhece de novo, e de novo. Todas as noites rezem. Todas as noites comecem agradecer por passar mais uma noite sem dor. Agradeça a vida. Agradeço hoje, por ver que sim, o tempo às vezes, só nós faz bem. Já se foram alguns dias e perdi algo importante e não pensei que o mundo desabaria. Perdi você, pensei.  Mas logo veio outro e me mostrou que é bom ter um novo coração. Veio outro e me mostrou que às vezes, era só loucura minha ou destino seu. Sim, me negou o amor. E outro, abriu o espaço. São opostos. E eu sou igual.
Talvez, eu preciso apenas de parar de ver coisas atrás de outras coisas. Pode ser complexo. Mas essa é a verdade. Preciso também, ver coisas que estão escondidas nos pequenos detalhes. Preciso também, só de mais uma coisa. Preciso de Fé.

29 de nov de 2010

Os finais felizes.



Eu vivo naquele tempo que nada muda se não procurar a mudança. Pare e pense o que você anda fazendo da sua vida. Pare e pense que fim você está dando para o seu conto que escolheu ser perfeito. Realmente sim, no começo, eu abriria mão de tanta coisa. Mas seria em vão, no começo até o fim. Ando bem feliz, tenho meus risos, choros, abraços e relações bem humanas. Voltei aos poucos ocupando meu espaço, voltei aos poucos seguindo minha vida, são vinte&seis dias e houve um progresso nisso todo. Começo a batalhar pelo meu espaço e pela minha própria felicidade. Eu quero ser capaz de conseguir isso e não levar a sério essa história de Amores Eternos Amém.
Atropelei muitas vezes os meus sonhos e as minhas vontades porque ainda acreditava nessa história de Viveram Felizes para Sempre. Mas se eu puder, eu quero ser feliz agora, hoje, amanhã eu escolho ser feliz de novo e assim vai. Nem sempre vou ser feliz o dia todo, nem sempre vou ser triste o mês inteiro. Eu quero atrair coisas boas. Eu preciso de um novo recomeço. Quero caminhar em direção aquilo que eu acredito. Quero pelo menos ver que o amor que eu tenho guardado dentro de mim não é em vão. Quero apenas ver que eu e você não fomos tão em vão quanto me parece.  Mas acho que tudo fica tarde demais, o sentimento vai se conformando na lembrança e lá ele ficará quieto durante anos, quem sabe até, durante décadas. Conformarei um dia com isso, com as lembranças, com a saudade e até mesmo com a falta desse amor que eu sempre lutei tanto. Sinto vontade de perguntar para ele se agora consegue ver o que ele fez comigo. Se agora ele ver que o sofrimento que ele me causou só me fez crescer. Só me fez sentir que tudo passa nessa vida e que ninguém vale nada. E ainda bem que em uma noite houve uma voz em mim dizendo: Menina acorda pra vida e vê o que você está se tornando. O que custa agora ver o lado bom da vida? Custa tempo e eu tenho preguiça.
E ser feliz para sempre, ninguém consegue, ninguém. Então, não cresça com essa idéia de que terá um príncipe num cavalo branco na porta de sua casa te esperando. É uma pena que não havia ninguém para me avisar mais cedo, mas eu aviso a vocês. O seu príncipe é ilusão. Haverá sim, haverá um homem que será o ideal para você até um dia, depois, vocês vão seguir caminhos diferentes. Amor eterno haverá poucos. Amores distantes haverá vários. Mas guarda isso. Haverá um amor que será seu ponto fraco para o resto da sua vida, que é o de quinze anos, como já disse e agora repito. Mas se for possível, para guardar sua lucidez, sua saúde mental. Não acredite em Finais Felizes. Nem todas as garotas conseguem um final feliz. Nem toda garota terá um homem ao seu lado. Nem toda garota te amará como eu te amei.  Nem ao menos, vai te entender como eu entendi. E sabe de quem é a culpa disso? Sabe quem faz criar a maturidade? São duas coisas importantes. Te apresento o tempo e o destino.

28 de nov de 2010

Ele não está tão afim.




Ele não está tão afim de mim. E agora? Me desespero? Crio contos? Vou seguir ele? Não.
Eu o olho e não consigo respirar, dá impressão que a terra vai subindo, consigo criar raízes e não sei desviar o olhar. Ele me olha, suspira alto, fica perto de mim e eu não consigo desgrudar os olhos dele. Não consigo. Não sei nem como fazer isso. Não sei nem ao menos fingir que ele não está lá. Não sei. Nada.  Que difícil. É complicado. Pela primeira vez que eu tento conseguir me apaixonar por outro a não ser por aquele que me deixou, acontece isso. O novo menino tem vergonha de falar comigo e ainda diz que é cedo. Cedo para me perder. Cedo para me ver indo embora da vida dele. Só se for.
Não menino. Agora eu aprendi. Não vou amar. Tá, só um pouquinho. Bem pouquinho. Eu te vi ontem nos meus sonhos. Você estava lindo, mas meu sonho mudou de caminho e acabei vendo o outro. Será que você tá sumindo de mim? Será que finalmente está acontecendo o que você queria? Será que eu estou deixando de te amar? Em todo esse tempo te vi de uma maneira pura, ingênua e até mesmo fofa. Não sei se eu vou conseguir ver pessoas assim agora. Mas também não sei se vão conseguir te ver de novo assim. Tanto faz. Agora preciso me concentrar nessa nova história sem autor, sem capítulo. Como se agora eu estivesse criando uma nova vida.
Estou procurando uma nova música, mas não quero um velho cantor. Quero uma nova música com um cantor novo para que ele possa criar algo para mim. Mas aquele outro menino não saiu da minha cabeça, não. Quero logo segunda para poder ver. Quero logo ver ele. Não Layla. Sossega. O coração anuncia que um novo amor chega. Um novo amor vem se aproximando. Que chatice. Um novo amor, mas ele só sabe me olhar. Ele não diz nada. Ele me olha e eu o olho a noite toda.  Com 25 dias. Uma nova chance.
Vendo agora, o meu drama é engraçado. São 365 dias para escrever para aquele que conseguiu viver sem mim. Mas agora, vejo que eu tenho mais um amor por aí. Agora é só torcer para que ele veja que eu me congelo quando ele olha. Que ele perceba que por trás disso, há loucura, amor, e o melhor, drama.

27 de nov de 2010

Sonho



- Oi
- Oi.
- Como vai?
- Te amando ainda.
- Hã?
- É se faz vinte e quatro dias, mas eu sinto como se fosse ontem.
- Do que você está falando?
- De mim, de você, do destino.
- Ainda acredita nisso?
Silêncio
- Hein, me responde! Ainda Acredita?
- Infinitamente... todas as manhãs...todas as noites...
Silêncio
- Não pode ser.
- Não poderia se eu não te amasse.
Silêncio
- Poderia menina, poderia.
- Eu te amei muito, te amo muito e vou te amar mais ainda, menino. Só que o amor me correu.
- Como?
- Acabou
- Acabou.
- É
- Ou não.
- Têm outros agora. Outros meninos, outras vidas, outros sussurros, outros sorrisos.
- Mas se lembra ainda de mim?
- Milhares de vezes. Andando por aqui, eu lembro mais ainda.
- Você nunca mais voltou aqui.
- Não. Escolhi viver o real do que sonhar.
- A gente precisava conversar menina.
- Sim. Mas tem que ser só quando acordar, porque o sonho é meu, e aqui você fala o que eu quero.
- Eu diria o que agora?
- Que sentiu saudades. Que sempre me quis. Que sempre me procurou. E que me espera.
- Mas não seria verdadeiro.
- Ou seria?
- Seria. Porque talvez você sente isso. Talvez, você ainda sonha também comigo.
- Talvez
Silêncio.

E acordei com o despertador tocando, no mesmo quarto, com o edredom da fada sininho, e com o mesmo coração. Mas parece que o amor já não é mais o mesmo de sempre...

26 de nov de 2010

Inventando uma dor. Acreditando no amor.




Homem que não toma atitude é um horror, me dá agonia, me dá certo, mas por ironia, os que sempre chegam são os que nem ao menos te cumprimentando por vergonha, por medo, por não sei qual o motivo. Eu ando legal. Tenho me alimentado. Comprado novos esmaltes. Acreditado no amanhã. Acreditando até mesmo no amor. Veja o estado em que você acabou me deixando. Veja, o quanto eu gostei de você. Percebe agora que eu não sou mais uma louca? Percebe agora que não era no sentido figurado? O amor, não foi inventado. A dor, não foi inventada. O ano está quase indo embora. E eu não penso em inventar algum amor, porque isso faz com que no fundo, acreditamos nisso.
No fundo, amamos alguém, mas não sabemos quem. Sou sozinha e banco o coração sozinha, o sentimento inteirinho sozinha. Tudo bem, eu volto achar graça em algum menino tão tão tão lindo que eu nem consigo escrever sobre ele. Acho-o lindo mesmo que ele não me cumprimenta, ou quando acelera sua moto perto de mim,  ou até mesmo insiste passar com o seu carro, ouvindo uma música da moda.
Mas dessa vez, eu não quero mais errar, nem inventar, nem ver coisa aonde não tem. Quero ser realista. Quero aprender a ser assim, meu signo é de pessoas realistas, por que eu tenho que ser a do contra em tudo? E há uma voz dentro de mim que grita toda hora, implora cada vez mais alto, mas só sabe falar uma única frase: Vamos parar de sofrer? E sim, eu a escutarei.
Eu sinto medo de amar de novo. Eu sinto mesmo. Já chorei tanto, já sofri tanto, que eu me acostumei em ser deixada, em brigar por algo impossível. De desejar algo impossível. E eu quero de novo uma nova vida.
Você nunca me amou ou se amou, eu nunca soube. E já não há mais escolha. Cada um escolheu o caminho. Não te obriguei. Você não me obrigou. Mas em cada linha me parece despedida de algo, mas eu não sei do que e nem de quem.
Completam hoje  576 horas sem você e se faz vinte e três dias que eu escrevo.  E me parece que essa nova fase é melhor. Ele é real. Ele pode gostar sim de mim. Ando querendo sentir o sorriso dele para mim, que quando eu olhar novamente o chão de tanta vergonha de ter ele por perto, que ele continue parando em  minha frente e me olhe. Como se o mundo fosse desabar. Querendo cada vez mais que ele saiba que por trás de tudo, há uma menina que só quer ser libertada desse próprio mundo que ela criou. Quero que ele consiga coisas que você jamais conseguiu, ou que jamais tentou.

25 de nov de 2010

Amores opostos, destinos iguais



São dois caminhos que acabaram se cruzando no meio de um acaso ou foi só ironia do destino. São dois amores que por um acaso, como agora, mas só agora, são dois amores com caminhos opostos. No meio dessa trama apareceram várias pessoas para participar, para que cada um guardasse um pequeno lugar nessa história.  Pois é com você sim, eu iria até o fim. Eu sempre penso isso. Sempre. Fecho os olhos, me aperto contra minha almofada rosa, e me esforço para pensar em tudo, mas algo incrível acontece e eu não consigo mais e eu mudo, penso em um menino agora, que pode ou não estar gostando de mim, pode ou não, entrar na minha vida. Pode ou não, merecer um texto bom e sincero como já fiz para você, só que talvez ele fosse importar, já que você nem ao menos o leu. Nem ao menos, me leu.
São amores estranhos e talvez com um caminho igual. Para mim e para ele. O amor insuperável. O amor que talvez nem exista mais depois de tanto tempo. E a minha calma se vai de novo, vai e não volta. Vai e procura o menino comum que me atraiu. E eu mudei o rumo como eu sempre fiz e eu acho que sempre vou fazer isso. Sim, dessa vez, há uma luz ofuscante no fim de um túnel, dessa vez, não é sinal de perigo, nem ao menos, é um trem que vai querer passar por cima de mim. E se passar? Passou.
Sou um tanto quanto chata para isso. Neguei um quase amor já que um menino normal, lindo e com fama, queria me ver, e eu não queria ser só mais, em uma noite, é, ele queria sexo. Neguei de novo, outro menino, porque ele queria que eu ligasse. Ai, mas eles são tão lindos. Sossega coração. E assim, fez mais um caminho em comum que logo se desfez. Sabe, pensando bem, em 365 dias, andei aceitando os fatos, as feriadas abertas fecham-se aos poucos, como se eu pudesse sentir que tudo vai mudando, como se eu fosse aceitando novas pessoas, novos amores, novos tempos. Eu, que sempre fiquei no mesmo caminho, hoje ando em caminhos opostos. E agora vem certo estranho e me deixa sem graça, não consigo encarar, não consigo falar nada, me sinto vegetal. Mas me sinto viva, lá no fundo, sabendo que eu posso de novo me orgulhar em ser uma menina como as outras, menino insuperável, você me entende agora? Sua falta só me fez entender tudo. Muito obrigada. Ando construindo, ando divertindo pessoas e fazendo algumas delas chorarem. No fundo, não quero me tornar uma pessoa que é descrente de tudo. No fundo, eu não quero isso, nunca quis. Quero de novo comprar esmaltes e ficar alegre com as novas coleções. Quero de novo sentir a brisa em mim, e ficar feliz. No começo, a comédia como você quis, no meio, um terror para assustar a todos e agora, o fim, bom, o fim eu dispenso previsões. Mas façam suas apostas. Quanto tempo agora durará essa magia? Quanto tempo você ficará nessa estrada?
Isso, bom... Só o Destino sabe, e se quer saber de mais alguma coisa, ele não conta a ninguém isso. Ele deixa tudo preparado, e você faz acontecer aos poucos. Assim, quando chegar agora. Tudo está pronto e você, estará voltando a sua vida normal. Como um dia aconteceu comigo... Porque sim, são amores opostos em destinos iguais.

24 de nov de 2010

Precisar.

Preciso gostar mais das oportunidades, preciso gostar menos de você. Preciso apenas acreditar que os bonitos nem sempre são galinhas. Que o amor, o amor sempre dá certo para tudo mundo. E que até eu, um dia, vou ter um amor só para mim. Mas enquanto isso, eu escrevo, eu tento, e talvez, no futuro, eu consiga sim.



Ps: 21 dias. 504 horas.

23 de nov de 2010

Um amor assim





Queria um amor diferente, mas que fosse ao menos correspondido, não queria nada a não ser isso. Desde no início, eu pedi. Talvez um amor alegre e que pudesse acolher tudo que eu já passei na vida, todas as dores, todas as brigas, e todos os amores. Um amor que talvez pudesse trazer a segurança, ou ao menos, algo que pudesse fazer o coração saltar pela garganta e pedir para que jamais acabe aquele momento, para mim e para o sortudo ou o azarado.
Talvez que pudesse ficar acordado contando suas histórias para mim, contando sobre a sua vida sem mim e que ao menos, não queria ficar longe de mim. Que entendesse meus medos e os meus acertos, como você não entendeu um dia. Eu queria nada menos e nada mais que o seu amor, mas você escolheu negar e eu escolhi seguir em frente, já que eu percebi que minha vida se escorria em minhas mãos, que pessoas chegavam e saiam com muita facilidade.  Um amor que traga saúde, felicidade ou algo que traga salvação para tudo que envolva a minha história. Seria de novo algo que fizesse salvar a vida, mas que dessa vez, não vire a doença, e que não vire a loucura.
Desisti de me apaixonar no início, pensei negativo milhares de vezes para que tua imagem fosse a que valesse sempre mais. Comparei amores e comparei expectativas e dessa vez, alguma coisa surgiu. Tudo bem, só por que ele me olhou não quer dizer que ele ache que possa ser a mulher de sua vida. Mas agora, eu vou fazer do meu modo, o modo que talvez, nem eu conhecia e nem ninguém. No começo, era o seu amor ainda que buscasse todas as noites e todas as manhãs, e infelizmente em todos os textos. E parece que a vida vai mudando, eu vou mudando, e cada vez mais parece que as coisas ficaram tardes demais, para mim e para você. E eu pedi sempre para que nada ficasse tarde demais para a gente. Mas como isso aconteceu, não vou evitar a vida. Que a vida faça o que acha ser feito. Amor, Amor e Amor. Várias vezes pedindo, várias vezes torcendo para que agora nada como fosse, seja e novo. Que venha o novo. Que venha o amor que eu pedi.




Ps: Você não me dá notícias. E já se passaram 480 horas e sim, são vinte dias. Faltam 345 dias.

Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©