19 de dez de 2010

Como pode?





Ninguém mais entende o meu coração e as minhas ordens. Ninguém mais quer saber de entender o que anda acontecendo comigo e com essa história de amar e de não amar. Ninguém mais se importa. Em um mundo perdido os personagens também são perdidos. E no fundo, eu sinto só pena. Pena de você, pena de mim, pena do mundo, pena de quem sofre pena de quem. Ama... Demais. Eu me acostumei com esse amor que eu vivo como se ele fosse o meu próprio oxigênio, eu acostumei como se fosse o meu braço direito, algo que, sem ele, eu não posso mais fazer nada, e do nada, vieram, e cortaram o meu braço direito.
E agora? A grande história de amor se transformou em uma grande história de terror que não há mais ninguém para assistir, pois já sabem o fim disso tudo. Sabe que no fim, a menina, desconsolada, procura outro menino e que se apaixona por ele, ele a fazela sofrer. Fim. Final decorado, um filme de quinta categoria, de péssima qualidade. O filme do meu amor, o filme da minha vida.
Porque depois que eu sofri, e sei o que é sofrer e fazer alguém sofrer o que me interessa é o verdadeiro, o que há por trás desses textos é apenas a verdade, é a ausência, a dor, e um pontinha de drama, mas não é teatral. Um amor louco, um amor doentio, um amor impossível, um amor ausente. Mas é amor do mesmo jeito. Cada dia que passa mais difícil fica. Quero voltar a ver estrelinhas, corações, luas por aí quando falarem seu nome quero pensar em algo bom quando for dito seu nome para mim. Dizem que eu não falo mais de você, mas acho que é não preciso dizer quando se tem algo para escrever. Ando pensando em coisas que jamais deveriam ser pensadas. Não quero amar de novo, não quero sofrer, não quero mais nada e ninguém. Quero dormir, quero ver o tempo passa, quero perceber que o tempo passou e que eu esqueci tudo de mal que eu já sofri. 
É tanto medo, é tanto sofrimento que não cabe nessas linhas, muito menos nesses parágrafos. Eu não estou pronta para encarar a realidade, ainda. A vida está indo e eu estou ficando. Com o coração cheio de sofrimentos e retalhos, como se pudesse juntar algo que se foi há bastante tempo. Coração ferido, coração no mesmo lugar e batendo de mau jeito. E eu não tenho mais certeza. Eu não tenho mais certeza que esse coração que eu tenho bate por você. Eu não tenho mais certeza do amor que eu sinto por você. Como pode? O amor e a felicidade deveriam ser eternizados. Mas infelizmente, se acabam. E eu vou me acabando junto.
Meu 46º dia é isso.  

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©