8 de nov de 2010

O amor sincero.



São 120 horas e a ficha não caiu. Não teve o choro, só ficou em choque de saber que tomou a tal decisão que poderia sim, poderia mudar a vida  daqueles dois. E nos dias em que tudo lembraria. Coitada da menina. As memórias são tortuosas, são doloridas, mas no fundo, são felizes. Lembram-se ainda o quanto um ria do outro. Lembram-se ainda das noites longas e vazias. E o pior. Ela se lembra ainda do seu amor em vão por aquele menino. História mais pacata e sem sal, mas que comove. Comove porque a menina se transforma nisso aos poucos. Ela queria te fazer mudar, mudar a história e se mudar. Mas só quem mudou foi ela. Você talvez tenha mudado, mas foi para pior, bem pior. O conto é perdido, é triste, é sozinho, sem nenhum personagem que envolva isso.
Aquela menina queria voltar ao passado. Ou não? Tanto faz. Ela queria só ser feliz direito, com o amor completo, seja lá quem fosse retribuir. Até mesmo, ela queria conquistar o espaço dentro de você. Mas eu digo em terceira pessoa, e será que ela ainda quer um espaço dentro de você ou ela já perdeu as esperanças? A única que pode dizer isso é a menina. Mas ela não tem forças. Ela não tem mais voz. Tudo se perdeu na última ligação e na última vez o quanto você era importante. Mas relembrando os fatos, ela nunca chegou a dizer o quanto você é especial. Seria apenas um jogo em que a vontade dela era de se fazer de insensível e te afetar? O jogo não acabou ainda.
O dia da menina é sonso, é tenso de se ver. Muito tédio em uma vida só. Ela ainda sozinha e no fundo, ela espera que você chegue. Não em um cavalo branco, nem com um buquê de rosas brancas, muito menos, com o um texto decorado do Caio Fernando. Mas que você chegue e diga que nesse tempo todo. Ele a procurava, mas não sabia encontrar. Ela quer isso. Ele não quer mais. Mas ela quer e acredita. Acredita que amor mais puro do que ela sentia, ninguém sentiria por ele, um dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©