11 de jul de 2011

A carta



Alfenas, 11 de julho de 2011
                               Para o menino lembrado,

Escrevo essa carta não com a intenção de fazer com que se sinta mal, escrevo porque quero que leia quando esquecer de vez do que fui para você. Talvez te entregue, talvez mais tarde rasgue, talvez simplesmente posso ignorar e continuarei vivendo do jeito que sei. As cartas são para lembrar que alguém perdida nesse mundo te amou muito. As cartas não são motivos para que você chore, as cartas são grandes motivos para que fique alegre por saber que existe uma menina, complicada, difícil, com pensamentos terríveis, mas mesmo assim, ainda quer o seu bem. Apesar de tudo, quero que tenha fé e que esteja em paz.
Sempre me apaixonei fácil, sempre criei planos e alguns deixei para lá. Entre todas as confusões que criei lá estava você. Mesmo que nevasse, chovesse, o rio transbordasse ou o oceano secasse, lá estava você. Depois de tanto tempo posso dizer a nossa história sem querer chorar, mas às vezes chega o desespero, e olhe só, não somos mais o mesmo. Escrevo essa carta só para poder lembrar que eu quis mais do que poderia. O único erro foi te amar mais do que merecia, mais do que eu suportaria, mais do que o destino queria. Fui contra a maré, fui contra o destino e aquelas teorias idiotas de menina que é bem resolvida. Fui contra tudo e todos, e a única coisa que desejava era te encontrar no final dessa história.  Ignorei a minha urgência de amar o mundo e resolvi me aquietar, resolvi ficar só nesse amor porque era menos destrutivo, e engano meu, esse amor só me sugou e me deixou assim – algo que não há muita explicação -  Não importei se iria ficar no patamar de louca ou de santa, não me importei se o mundo iria ver que eu estava esgotada desse amor. E agora sei que muita coisa poderia ter sido evitada, muita expectativa poderia ser anulada e o sentimento poderia ser esquecido.
Não sei mais o que o mundo quer, ou se continuarei com a minha máscara de não sentir mais nada.  Na verdade, criaram isso. De tanto me baterem, eu aprendi a surrar. De tanto gritarem ao meu ouvido, hoje sou eu que grito e não deixo mais ninguém fazer isso comigo. De tanto desprezarem o meu amor, hoje sou eu que faço questão de desprezar.  Mesmo que eu fosse uma insensível você continuaria lá, me esperando ou falando como se deve viver. Você me ensinou tantas coisas, e me tirou o que eu mais precisaria ter nessas horas, você me tirou a paz. Você jamais falará novamente comigo, e isso pode ser tão triste aos meus olhos, mas para os outros, isso é tão normal. Você jamais voltará, você jamais será para alguém o que chegou a ser para aqueles que me acompanham.
Poderia muito bem dizer o seu nome, poderia até mesmo gritar para o mundo o quão essa dor invade o meu peito, mas prefiro o silêncio.  Prefiro fingir que estou ignorando, prefiro fingir que está-tudo-bem-sem-você-aqui. Você disse que sou uma menina forte mas sei que se eu fosse forte o suficiente já teria seguido minha vida conforme o mundo quer. Claro que desejo seguir em frente, claro que quero passar por outras situações, mas o amor que carrego dentro do peito é tão pesado que me fez ficar parada. Me vejo parada, e o mundo ao meu redor se movimenta rápido demais, e o que mais desejo é sentar no chão e apoiar meu rosto em meus joelhos, porque não aturo mais nada disso em cima dos meus sonhos.  
Me perguntei todos os dias o que eu era realmente e aos poucos fui descobrindo que sou uma junção de tudo que passei. Sou o amor que sinto, sou as lágrimas daquela noite em que você me mandou embora, sou a esperança despedaçada e sou o impossível, sou um pouco do seu desprezo, sou feita dos silêncios e dos berros, das dúvidas e das respostas. Sou o que você queria e o que eu deixei de ser pelo fato de não querer mais ser o que você escolheu. Sou a dor, a alegria e o amor. Sou o que não sei, o que não entendo, mas sei que sou o que escrevo.
Mas menino, já se passou tanto tempo e só consigo pensar que já não posso mais escrever sobre você ou sobre o meu amor. Já sei que você tem outra, e eu só quero saber de beber.  Enquanto você se diverte com meninas, eu me divirto com copos de tequila ou vodka, e assim, o tempo está passando cada vez mais rápido, talvez seja o nosso fim. São oito meses, e eu ainda gosto tanto de você.  Não me importo se vão falar ou reclamar sobre o que me tornei. Não estou me importando com a conseqüência, só sei que entrei no estado em que vale tudo para te deixar para trás. Sem você por perto é estranho, sombrio e difícil. Foi difícil entender que foi só um engano e o nosso amor jamais voltará a ser o que foi, na verdade, o meu amor não voltará a ser o que foi – não sei se você me amou verdadeiramente – Tive medo, tive coragem e tive fé, hoje, não tenho mais nada. Estou neutra, não me importo se meus sonhos vão ou não se realizar, não me importo se dez minutos depois de escrever, eu esteja chorando ou rindo descontroladamente, não me importo, não mesmo.Sei que posso te procurar e você não irá me responder porque nos afastamos. Não tenho mais o direito de me infiltrar na sua vida, e quero te mandar embora de vez da minha. Quero logo o dia que conseguirei respirar aliviada, quero logo o dia que poderia falar seu nome sem a dor pesar. Quero logo o dia que poderia andar por qualquer lugar sem a esperança de te encontrar. Quero parar de vez de te ver em cima de outras pessoas. O mundo é cruel, é uma verdadeira merda, mas é preciso enfrentá-lo. É preciso enfrentar o medo, a dor e o amor, e depois de tanto tempo consigo aprender isso.
Vou fazer o que você me ensinou. Você me ensinou a ser cruel, é um ótimo professor. Você me ensinou o quão dolorido é o silêncio, e o quão esperado é um retorno. Você me ensinou que o mundo é cheio de boas intenções e que preciso me aproveitar delas. Você não criou um monstro, você só me mostrou o que eu não queria enxergar.  Com ou sem você, preciso ignorar esse amor, esse caos e até mesmo a dor inflamada. Com ou sem você, seguirei as cegas, sem me importar se na esquina há a minha felicidade ou se na próxima avenida te encontrarei. Estou partindo e quero que fique bem. Não sei aonde você está mas se lembre, eu estarei em algum lugar, esperando que você fique cada vez mesmo. Não espero que você volte. Espero que seja feliz com ou sem a minha presença.
Sei lá, só quero que tudo acabe.

Ps: Estou melhor, mas acho que preciso controlar a bebida. Ela me faz esquecer e isso é um perigo (Se bem que isso me salva )
Ps²: Acho que estou superando.
Ps³: Ah, não tenho mais nada a dizer.

                     De sua menina já esquecida,  
                                                               Layla Péres

Comente com o Facebook:

7 comentários:

  1. Lá vai eu, mais uma vez, comentando no seu blog. Cartas, como você mesma disse, são para lembrar. Mas me diga, para que lembrar de tudo isso? Para te ver sofrer? E aquela menina de antes, e aquele sorriso que predominava no seu rosto? Layla, eu quero você do jeito que você era novamente, e eu estarei aqui, disposto(a) a te ajudar.

    ResponderExcluir
  2. Não é fácil estar distante de quem marcou nossa vida e faz parte de nós. Mas tudo passa.
    Seu blog é profundo, meigo e super aconchegante!
    Estou a seguir .

    Também tenho tenho um cantinho:
    www.misturadinamica.blogspot.com
    Você será muito bem vinda!

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho certeza que em algum lugar existe alguém que mereça todo esse seu amor que voce insiste em dar pra quem nao merece.

    ResponderExcluir
  4. qntos meninos estão se perguntando agora se é ele? assim fica dificil, pode ser q o garoto pensei que vc na verdade quer provoca-lo e vc pode conseguir o contrario doq planeja, ou se não planeja nada, pode conseguir qlqr coisa.

    ResponderExcluir
  5. Esse segundo anônimo é tão burro, tão estúpido, dá pena de gente do tipo. Não perca seu tempo fazendo esse tipo de comentário, é de se ter compaixão de pessoas que não conhecem a história de alguém e vem querer opinar. Sabemos que os ignorantes são mais felizes, talvez por isso você tenha essa opinião infeliz.
    Beijos Layla, não se importe com pessoas que só diminuem. Tenha pessoas que agregam perto de ti.

    ResponderExcluir
  6. Mano, namoral, se for vir aqui, pra ficar jogando na cara Dela, que o carinha aí não merece, não precisa flw? isso ela já sabe, e todos aqui também.

    ResponderExcluir
  7. Raquel Pacheco25/07/2011 02:19

    Layla...eu só tenho q lhe agradecer...pq sua carta me motivou bastante a escrever pro meu grande amor...ele q tinha namorada e a gente ficava...depois q escrevi e
    me inspirei no que escreveu,no mesmo dia q ele leu...ele terminou com ela e veio me procurar,nunca imaginava q ele fosse fazer isso,hoje estamos muito felizes e ele sempre me fala q foi a melhor escolha q ele ja fez...depois de meses ficando com uma pessoa q tinha namorada e q eu sempre amei e sempre sonhei estar junto...hoje realizo tudo q eu sempre kis...Obrigada msm!Beijos e q Deus ti abençoe!

    ResponderExcluir


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©