28 de abr de 2011

Você não vai mais ligar.




Eu não me importo como antes cheguei a me importar e por falar isso, não quero que isso te afete e não quero que você perceba o quão mudei por isso. Não quero isso, não quero causar o sofrimento de ninguém, nem o desespero mas realmente não me importo e sei que você também não. Não houve alternativa e eu precisei esquecer de sua presença e de sua voz. Sua voz abafada ao telefone e eu me sentia melhor. Não melhor em todos os sentidos mas apenas me sentia leve, algo difícil de acontecer. Você me ligava de noite, e o programa do Jô começava, e então, a partir daí a vida foi ficando mais fácil. Eram ligações, risos e segredos. Eram vazios noturnos, solidão e mais risos. E o resultado da nossa bagunça foi apenas um silêncio absoluto. Ninguém mais falou nada. Eu não te disse como gostava de você, e você não me disse o que representei. Fim de papo. Não há mais drama ou choro.
Era triste quando você passava muito tempo sem me ligar, e eu me cobrava. Relembrava de tudo que lhe disse e pensava que a culpa tinha que ser a minha. Das últimas vezes que você me disse que ligaria, demorou quase três meses para isso acontecer e eu fiquei triste. Triste porque você era igual a mim que não levava promessas tão a sério, mas também fiquei triste porque você havia me esquecido, havia me deixado para um segundo plano. O silêncio se fez presente, mas forte que uma muralha, mas forte que uma barra de ferro.
Mas como era bom, meu deus, como era bom! Mas como tudo acaba, nossa história não levaria outro fim, acabamos. E hoje, estou aqui contando essa história para quem quiser entender. Não sei por onde você está, não sei se casou ou se está namorando. Não sei se ainda gosta de suco de soja ou de viajar. Não sei mais se gosta do curso da faculdade ou se realmente quer mudar. Não sei por onde você anda, é assim que começa a se esquecer? É assim que começa a partir depois de tudo? É assim que começa a ficar adulta?
Depois de tudo comecei a crer que sou uma adulta. Já não olho para o nada procurando você. Já não quero dar a volta por cima só para fingir que estou bem, não quero comprar briga, nem ferrar com ninguém. Quero ficar quietinha, bem quietinha. Quero acreditar no impossível novamente, mas não vou entregar-me para essas loucuras. Quero acreditar no amor, na paz, e na fé. Ando querendo ser feliz, ando querendo conhecer novas rotinas e outros amores. Quero que você saiba que tudo isso passou para mim, e mesmo assim, me sinto idiota por te ver como grande amor, aquele que no fim das contas eu nunca superei.
É verdade, você não me liga, não me dá notícias, simplesmente sumiu. Você sumiu e eu não quero ir atrás, não quero mesmo. Mas no fundo, te amar seria a salvação. Te amar era o que poderia trazer a fé mas ao mesmo tempo não era fácil, poderia até mesmo retomar essa maluquice que tinha umas pontinhas de sanidade. Não quero voltar atrás, não mesmo. Tudo foi feito, e você me tratou como um lixo e eu não mereço ser tratada assim. Não vou esquecer o seu desprezo pesado em cima de mim, não vou esquecer as noites que eu falei e você simplesmente se calou, mas também, perdoei. Sou dessas que perdoa, mas não esquece. O seu silêncio me destruiu.
E como uma menina que não aceita ser fraca, fui atrás. Me humilhei, rezei, implorei em silêncio, quis até te matar para você matar que era eu que precisaria mudar sua vida, era eu que iria te salvar dessa vida tão chata. Mas, você ainda sim escolheu o silêncio. Você não se importou comigo e eu me senti triste, triste porque era a única chance na época de que eu poderia tentar ser feliz. Eu sei, adoro amores impossíveis, sonhos, búzios, horóscopos. E em cada um deles eu saí em sua procura. E ainda assim não aceitava, eu precisava saber se você sentia alguma coisa por mim.
E o tempo passou, não tão rápido como eu esperava, mas ufa, passou. Tem sim, existem outras chances agora para sair dessa estupidez. Parei de dramatizar o fato que você nunca me amou. Perdi tempo em alguém que nunca viu em nada. Mas me acalmei, cansei de clichês falando que o novo dia sempre existe. Então, o que eu tenho para falar é que espero que tudo mude novamente. E que esse vazio que me consome acabe. Não quero me importar com você, nunca mais.  E agora, depois de dois anos, ligo a TV e há o programa do Jô. Mas não há nenhuma ligação, não há você em mim, mas também não fico mais triste querendo que você me ligue ou que você chegue. Te espero entre linhas, te espero em pouco espaço que ainda resta. Te espero mas não evito de seguir a vida. Espero ainda sua ligação para fazer o meu dia ser melhor, mas no fundo, não quero esperar o que vem de você. Mas deixo assim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©