19 de abr de 2011

Você foi embora.



Ele foi embora. Ele foi embora e fim. Ele foi embora e eu chorei. Ele foi embora e eu fiquei. Ele foi embora, e eu pouco sorri. Ele foi embora e eu troquei a cor do meu cabelo. Ele foi embora e eu sinto saudade. Ele foi embora e eu não tenho mais a quem dedicar meus textos. Ele foi embora, ele foi embora... Ele foi embora...
Uma lerdeza terrível de não querer dar a volta por cima. Uma lerdeza horripilante de estar satisfeita. Uma lerdeza, um sono infinito. Mesmo sabendo que infinito existe só em números e estrelas. Mas talvez sejamos isso, somos estrelas mortas. Morremos há tempos e ainda continuamos brilhando. Morri na sua vida para que existissem outras meninas.  E se quer saber, você nunca morreu para mim, pelo simples fato que não dá para matar algo que já se matou. Não dá para matar a mesma coisa duas vezes. Você morreu dentro de mim para continuar vivendo. E não é justo, não é nada justo.
Perdi a noção do tempo, e enquanto isso eu queria que você me amasse, eu só queria isso. Mas você foi incapaz. Você não me tocou por medo. Você nunca mais me disse nada que pudesse me arrancar um sorriso bobo. Você não mais me fez sentir viva. Você simplesmente foi embora, como se eu fosse um conto velho na sua história que precisa ser deixado para trás. Você foi embora sem medo. Você foi embora lindo, e cada vez mais misterioso. E eu não sei o que pensar, porque eu morri. Acabei com as minhas esperanças e com qualquer forma de fé que residia em mim. Eu me acabei. Acabei pensando que tudo seria diferente, que finalmente, me curado dessa maluquice de me torturar. Mas que pena que me enganei.
Não era maluca por escrever para você. Era maluca por você. Está a diferença. Era a louca que poderia sentir tanto amor que o mundo em si virou o próprio sentimento. Era seu nome escrito em todos os cantos, como se eu pudesse esquecer. Era seu sorriso na boca de outros caras. Era seu olhar de peixe morto nos olhares de quem eu quisesse. Era seu tom de voz no lugar da voz do meu ex-namorado. Era seu jeito que eu via em todos os lugares que passei. E eu sabia que era loucura. Eu sei que se continuar escrevendo sua volta não acontecerá. Mas se parar, parou.
Deixar de te amar seria a maior loucura que poderia acontecer. Deixar de insistir em algo que sempre me deu fé, foi a coisa mais surtada que poderia ter me acontecido. E eu parei, parei porque eu precisava me sentir amada, e você nunca me fez isso. Nunca me amou, e se amou, nunca me disse. E eu queria tanto saber. Você já gostou de mim? Gostou de mim mesmo sabendo que tenho todos os quesitos que assusta um homem? Gostou de mim mesmo sabendo que estava impossível demais para afetar sua vida?
Comecei a não te ver em mais nada. Nem no meu cabelo que já está preto ou nem no pão de queijo que eu avistava na cozinha. Comecei a te ver como um homem, não menino, não inocente, mas um homem que sempre soube o que quer. E é uma pena que eu não estava nos teus planos. É uma pena que eu te quis tanto e você nunca me quis. Eu sei que sou a rainha dor-de-cotovelo. Eu sei que o meu drama te diverte. Mas eu sei também, que um dia você soube de tudo e preferiu não fazer nada. Eu sei que te dói às vezes, ou não. Eu sei que se lembra do meu riso nervoso, e o meu tom de voz calmo.
Não há mais o que se esperar. Você foi embora. Apenas isso. E eu também fui. Minha vida já não é a mesma, como a sua também já não deve ser mais a mesma. No meu mundo não há você. No seu mundo não me tem.  E vou continuar te procurando em outros mundos. E eu vou tentando te descobrir em outras coisas. Só para sofrer um pouquinho, só para lembrar de tudo que um dia esqueci. E vou continuar vivendo, e você também continuará. Mas só nós dois sabemos o quão um marcou o outro. E outros irão saber o que passou, porque simplesmente, você sairá desse texto. Você sairá para sempre e nunca mais voltará. Será feliz com outra moça, talvez morena ou loira. Mas será feliz, e eu quero isso. Quero que seja feliz mesmo sabendo que poderia ter sido feliz comigo. Quer algo mais corajoso do que desejar que o outro, que eu amei muito, tenha a felicidade que sempre que quis? Não sou medrosa, nem covarde. Mas não quero que me veja como louca, e por isso, fechei a boca. Não falarei nada, absolutamente nada. Não reclamo, não brigo. Não me esforço. Não me importo algumas vezes.
Quero que a vida continue, me leve longe daqui. Que me carregue, e que aconteça. Que o encontro aconteça, que o sofrimento acabe e que eu possa continuar respirando aliviada.
 

Comente com o Facebook:

3 comentários:

  1. Nossa, conseguiu expressar tudo o que estou sentindo... parece que foi escrito por mim...

    ResponderExcluir
  2. me arrepiei enteiro na leitura.. confesso que surgiram lágrimas no final do texto.. dizem que o tempo é o melhor remédio para tudo nessa vida.. mais pra mim, o tempo é o que mais me dói, pois a distância entre mim e a pessoa que eu amo, aumenta cada vez mais.. obrigado pelo texto

    ResponderExcluir
  3. Caramba! Por um instante pensei que estivesse lendo minha própria vida.É assim que estou neste momento. Sem o amor da minha vida, sem minha alegria, sem meu chão, sem meu ar, mas com uma diferença; o meu amor está nos braços de outra pessoa e isso eu ainda não digeri...

    Parabéns pelo lindo texto!

    ResponderExcluir


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©