21 de abr de 2011

A mulher bem resolvida



Eu não queria fazer parte das desiludidas do ano, ou para piorar a situação, fazer parte das desiludidas do milênio. Tenho muito mais o que viver e fazer do que ficar sofrendo por alguém que agora consegue muito viver sem minha voz ou o meu jeito. Claro que dá saudades dele, do sorriso dele, do jeito dele na minha vida. Mas eu fiz tudo que pude fazer um dia, absolutamente tudo. E ele não voltou, e talvez jamais vá voltar, porque ele não me amou, ele não me quis por perto por tanto tempo, e eu também não vou querer ser o que faz parar, não quero ser vista como freio de ninguém. Mas tudo isso vai muito além de qualquer menina Mal resolvida que vive em mim, tudo isso vai muito além de signo, de zen, de budismo ou qualquer coisa que acontece de paranormal.
Porque agora há um menino nisso tudo, há um novo menino que anda me tirando o sossego e resolvi gostar dele. Como se tivesse alguma escolha, como se eu pudesse escolher. Mas acordo com a intuição de que ele me veja melhor, que ele saiba que sou bem, e por isso, resolvi ser a mulher resolvida do século. Mas espera aí, desde quando uma mulher bem resolvida tem um amor platônico? Desde quando uma mulher bem resolvida vai nutrir um relacionamento a distância e ainda assim, platônico?
Eu tenho que ser a mulher bem resolvida. Preciso acordar a mulher bem resolvida que existe em mim. Cansei de assustar todo mundo com o meu jeito fodona de destruir corações. Cansei de assustar todo mundo por ser tão rápida e explosiva. Mal me lembro dele. Mas às vezes, de vez em quanto, penso que tudo poderia ter sido diferente. Penso que eu estaria com ele ainda, e que ele me amaria. Mas isso não aconteceu. Isso talvez nunca vai acontecer e me deixa triste novamente.  Tudo isso poderia ser evitado. Tudo isso poderia ter acabado sem nenhum brilho. Porém, vocês me conhecem. Sou dramática e elevo demais coisas que jamais deveriam ser aumentadas. Aumentei a dor para que pudesse ser lembrada como A dor, como O amor, como O cara. Mas ele não passa de um homem, um homem que está descobrindo o que quer da vida.
Não adianta ficar falando sendo que não há mais ninguém para me ouvir. E cansei de ser sozinha, de brigar sozinha, de sofrer sozinha, de amar sozinha. Amor unilateral é tão triste e eu sinto isso a toda hora. Briguei tanto, quis tanto, coloquei tanta fé, e tudo continua muito igual. Parei num único lugar que não me deixa seguir em frente. Mas eu sou uma mulher bem resolvida, eu sou, juro que sou.
Sou exagerada ao ponto de criar esse texto me querendo ser uma mulher bem resolvida que não existe. Sou exagerada ao ponto de sentir saudade de coisas que nunca vivi e que jamais vou conhecer ou até mesmo, jamais vou tocar. Meus amores platônicos acabam sendo minhas essências. Meu jeito dramático foi o refúgio que pude encontrar para conseguir viver maquiando os dias. Cansei de correr em círculos. Cansei de me destruir por uma dorzinha sem luxo algum. Cansei de ver todo mundo apontando o dedo e falando como devo ser. Cansei, cansei, cansei. Vou cansando mesmo sabendo que jamais me cansarei de verdade. Vou querendo esquecer o que não vou esquecer tão fácil. Vou ser a mulher resolvida que sempre quis mas jamais vou deixar de ser a menina que existiu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©