14 de jan de 2011

No escuro




No fundo, sei que algum dia, você irá pensar em mim. E espero que quando esse dia chegar, que não seja tarde demais.  Algum dia você poderá pensar que sim, gostou de mim, e eu sei que estarei aqui, porque foi isso que prometi, e assim vai ser. 

Me deito e me encolho. Abraço o meu joelho contra o meu peito e fico encarando a parede por um bom tempo. Será que esse amor me deixou louca ou realmente conseguiu me deixar vazia? Respiro fundo, porque é a única coisa que consigo fazer nesse ponto é respirar. Penso de como era minha vida sem ele e como está minha vida depois dele. Passou, deixou marcas profundas em mim, marcas que jamais confessei para ninguém. Sei que você quer um lugar reservado, e eu tenho esse lugar, fique dentro de mim, não quero que leve na malícia, não quero nem piadinhas, mas fique. Penso para não perder o costume. Penso porque você vale à pena. 
Talvez hoje, vou ser a primeira pessoa que ele irá pensar quando estiver indo dormir. Talvez hoje, ele sinta falta e quer voltar, mas não sabe como dizer isso. Talvez hoje, ele tomaria coragem de dizer que sempre fui especial para ele, mas que tem milhares de coisas que não deixa isso acontecer. Ele conseguiu o que nenhum menino tentou, ele tentou me deixar completa. Retrato ele no passado porque não consigo ver ele no meu futuro, não sei, tenho medo. É isso que tenho vontade de dizer a ele. Tenho vontade de olhar e dizer com voz doce: Eu sinto medo.
Engraçado, decorei frases para quando pudesse falar a ele, e o máximo que consigo dizer é que estou com medo disso tudo. Talvez, esse é o sentimento de hoje, medo. Tenho medo de acordar, porque a qualquer hora tudo pode mudar de novo, e estou querendo ficar quieta, não quero mudanças. Tenho medo delas, tenho medo de mudanças. Porque seria você que mudaria a minha vida, e eu seria a que mudaria a sua. Não planejei isso com você, por medo. Mas era isso que eu esperava.
Você conseguiu mudar a minha vida, mas que pena, não consegui nem entrar na sua. E isso me deixa muito sem entender bem o que realmente acontece. Não sei o que acontece comigo. Não sei mais o que eu sinto por você, não sei o que você sente por mim, e parece que não tenho mais aquela curiosidade de antes de tentar adivinhar.
Sim, eu tentei te encontrar nos homens mais bizarros que poderia existir. Tentei te encontrar em cada frase que eles conseguiam dizer. Tentei te encontrar no olhar malicioso para cima de mim. Tentei te encontrar nas declarações, e nas bebidas. Tento te encontrar em cada texto, para te manter cada vez mais dentro de mim. Consegui me manter interessada na primeira semana, mas no fim, estava eu, sozinha, com o coração cheio de amargura pensando o que você estaria fazendo, se estava fazendo alguém feliz, se alguém estava no lugar que tanto quis. De tanto tentar te encontrar, desisti. Fiquei apenas aqui, resolvi não querer ser usada por ninguém e não usar mais ninguém. Isso é cruel demais, a vida consegue ser cruel comigo, e eu não sei o que fiz de errado. Talvez, seja um teste, mas não sou a melhor e certamente, não ganharei o diploma. Poderei ganhar o diploma de ilusão do ano, ou de idiota do ano, mas seria também cruel demais.
Tento mostrar a falta que ele me faz em cada linha, mas sei que minha vida não está tão péssima assim. E quando perguntam de você, não sei como explicar, nem ao menos entender, porque no fim das contas, talvez a culpa foi minha e talvez, a vida está me dando à chance de querer mudar tudo novamente. Mas dessa vez, não quero errar com ele. Vou ficar quietinha, nem darei algum palpite para a sua vida pessoal. Mas e a dor? O que eu faço com ela? Aonde coloco? Na bolsa? Não sei o que faço com ela, não agüento mais isso. É agonia, solidão, mera loucura. Conseguir enfrentar o mundo com o coração vazio, conseguir respirar a existência de tantos e tantos, ou ver amor aonde não tem. Escolhi não existir mais só porque eu olho para o lado e ele não está mais lá.  Escolhi  morrer a cada dia por ter medo de viver.  Escolhi  ser frágil do que conseguir superar qualquer projeto que existe e que possa falhar.  Escolhi  ver tudo por cima, não querer mais de saber de nada, porque eu não posso mais sofrer. Tento alcançar algo difícil. Tento e não sei desistir desse amor que parece mais despedida, saudade, angústia.
Quis ter a aparência de insensível, forte, e a inabalável. Mas quem me conhece, sabe. E ele me conhece mais do que qualquer pessoa, ele sabe que não sou isso. Ele tem algo que ninguém mais conseguiu ter. Ele conseguiu me salvar, mas me deixou perdida de novo. Tento achar dicas por aí, horóscopos, sinais, horários iguais. Mas todas às vezes eu olho para o relógio, ele marca hora alguma terminação com cinqüenta e nove. Como se até as horas pudessem se despedir de mim. E é terrível. Você sabe, eu te espero e te guardo, mas só não demore muito. Não consigo mais segurar a vida. Todo mundo consegue se dar bem, e eu estou aqui, sozinha, no escuro, tentando ser quem já não era a muito tempo.

Algum dia você vai chegar e conseguirei te dizer tudo que eu sempre quis. E sei que você falará coisas que vão fazer a minha vida mudar para melhor. E assim, seremos um só. Para sempre sua.

Comente com o Facebook:

Um comentário:


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©