25 de jan de 2011

Desafia-dor.



O momento mais difícil de todos é quando precisamos largar o nosso passado, nossas vidas antigas, nossos amores, para conseguir outras coisas. Não é possível acompanhar o presente e acompanhar o passado ao mesmo tempo, tudo isso é a prova que passado e presente, ou até mesmo o futuro não andam lado a lado.
Porque chega uma hora que precisamos fechar as pessoas, o passado, e o medo dentro de uma caixa, porque muitas vezes é preciso abandonar porque a vida é hoje, é agora.
Por mais que possa doer futuramente, é assim que a vida funciona. Ela não pede licenças para mudar tudo, como se fosse da água para o vinho. Muitas vezes consegui matar algumas pessoas dentro de mim mas sempre as visitei no cemitério, mas no fim das contas, ele se agarraram em mim, e eu me agarrei neles por medo de viver.
O medo toma conta mesmo porque um dia, sofri sim, amei até mais do que poderia e hoje, já não vejo ele como antes, hoje eu o vejo como se fosse um menino normal, com seus defeitos e suas qualidades. O Endeusamento que fiz dele foi horrível, tive a impressão que a minha felicidade estava nas mãos dele e sei que isso é a mentira que criei para continuar apaixonada por ele. Ele não será o único, ele não é a minha única chance de felicidade, tenho amigos que podem evitar essa carência criada e rotulado. Existem amigos, bares e meninos alheios para poder abraçar, dizer absurdos e não há dor alguma. E assim, acabo com os meus rastros e com os rastros dele.
É triste pensar que como poderia ter sido feliz ao lado dele. É doloroso lembrar que logo tudo isso virará sem importância. Os textos, as palavras ditas e os silêncios declarados. Porque ele sabe que se eu tivesse mais força, e mais fé, logo voltaria tudo, mas a vida me chama constantemente, talvez esteja na hora de parar de brincar de me fazer de princesa abandonada numa torre alta, talvez esteja na hora de parar com essa estupidez de ficar me recordando das insônias, do sorrisos, e da espontaniedade que havia de cada um pensar o que fosse. Talvez esteja na hora de virar adulta. Não que eu queria fazer isso, mas acabar com rastros dele por aí é dolorido demais. Tudo que eu pude viver com ele houve lembranças boa, me deixou mais alerta, me deixou mais leve, e infelizmente me deixou decorativa. Tudo seria somente a melhor parte que sobrou de mim, a verdadeira melhor parte de mim.
Ele foi guardado aonde o tempo não muda. O tempo aos poucos mostra quem realmente deverá ficar, não tenho medo das minhas escolhas. O tempo explica tudo, entao, ele realmente me explicará porque você jamais conseguiu ser um amor passageiro como todos os outros. Minha vida era diferente da dele, não digo em geral, mas não nos pareciámos muito. Mas algo dele faz falta em mim, algo dele faz parte de mim ainda, mas não sei o que é exatamente.
Talvez, eu já esteja preparada para seguir em frente e continuar o meu destino. Mas às vezes só quero parar quando ele me dizer que não me amou nunca, mas acho que seria tão mais dolorido. Tenho tudo que ele procura em outra mulher, mas isso me deixa mal, porque talvez, eu sou apenas uma lembrança do  verão passado, e hoje, estamos em outros tempos, um outro verão chegou. Escrever isso não irá fazer com que ele chegue mais rápido. Para continuar com fé, preciso acreditar no tal famoso clichê. Não importa, o que for, será, nem que seja daqui cinco, dez anos, ele chegará. Se não, o tempo irá mostrar algo mais importante.
Há pessoas que jamais se devem esquecer. Há momentos que sempre será bom lembrar. Mas infelizmente, há um sorriso, uma gargalhada, um olhar, um jeito prepotente que é preciso esquecer antes que a loucura chegue.
Odeio essa impotência que há entre mim e esse universo. Porque não posso fazer nada, tudo depende dele, mas se eu disse, o que ele iria pensar? Infelizmente, muitas vezes é preciso guardar a dor, e seguir em frente. Deixe. Um dia passa. Um dia a lembrança acalmará. Ou talvez quem sabe, um dia irá chegar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©