3 de fev de 2011

Um velho dia que começa.




Por muito tempo me dei ao trabalho de negar o meu passado, e tentar negar o meu futuro. Como se houvesse uma escolha de mudar de planos e de vida. Seria uma história triste com o um título e descrição mais triste ainda. Está na hora de esquecer as lágrimas, as faltas, e a saudade. Está na hora de enfrentar isso de frente, como uma mulher. Pode ser ou pode não ser bem resolvida.
Mas chega uma hora que é preciso esquecer seus medos da rejeição, da dor, e da vida e enfrentá-la de frente. Chega uma hora que cansa de planejar sonhos em cima de pessoas que não valem à pena. Chega uma hora que cansa de sentir dor, vazio, e angústia. Chega uma hora que tudo que preciso é dar tempo para a vida fazer o que deve ser feito realmente. Sem escolhas. A vida acontece cada vez mais que tento impedir.
Eu sei que a história foi tão decorativa que aqui estou, contando essas falas, descrições, e personagens para quem quiser ouvir, e hoje, já não me dói tanto como doeu um dia. Hoje, estou bem, não estou querendo algo impossível, não estou nem ao menos batalhando por algo impossível, nem ao menos estou querendo quebrar a cara como sempre fiz e que talvez, sempre vou fazer.
A única parte de ter certa carga de quem já sofreu é que conheço todas as intenções, e sei quando elas são boas e sei quando elas são péssimas. Não quero me dar à permissão de ser iludida. Pensam até que podem me iludir, vê se pode umas coisas dessas. O novo menino quer me iludir, mas eu já sou iludida. Então, chegou tarde demais. Alguém já fez tudo que ele queria fazer. Alguém conseguiu me iludir e jamais conseguiu mudar essa história.
Importei muito com tantas coisas superficiais. Importei muito mais ainda se aquele que foi embora para sempre me amou ou deixou de me amar. Importo muito ainda, mas aprendo dia após dia que não se pode ser assim. Que muitas vezes, é melhor ter um espírito de paz do que um espírito de amor.
É preciso não amar ninguém por um bom tempo para tudo se recompor. É preciso repensar na história mesmo que possa doer muito. É preciso repensar nos erros, nos acertos, nas loucuras e até mesmo nas faltas. É preciso pensar, mas o principal é preciso recomeçar.
Porque aquele clichê de chuva com arco-íris nem faz mais ninguém acreditar, porque ultimamente quem se dá bem são pessoas que conseguem usar as outras.
O mundo virou um caos. E eu estou fugindo disso. Estou escolhendo pensar, me reinventar se for preciso. Estou escolhendo viver e até quem sabe um dia voltar a gostar de alguém. Tenho a idéia que jamais gostarei de ninguém como gostei daquele menino um dia. Tenho idéias brotando na minha cabeça.
Me sinto perdida e não sei se o dia é velho ou se é novo. Não sei se está começando, ou está terminando. Tanto faz também, só quero me ver livre disso.
Estou renascendo ao pouco, sem luxo, sem brilho, sem nenhum glamour. Estou renascendo aos poucos para poder continuar acompanhando a vida. Ela se foi, e me arrastou junto. Mas não me importo. Estou indo, junto com as coisas, junto com o destino, junto com o que quiser denominar. Não sei se é errado, não sei se nem ao menos é certo. Mas não me importo mais.
Onde estiver, saiba que você foi o amor. O amor louco, o amor consolador. O meu grande amor. Mas que sinto que aos poucos, tudo está passando. Onde estiver se lembre um dia de mim. Onde estiver se lembre dos meus planos de poder te impressionar. Onde estiver, saiba que jamais deixarei ninguém ocupar o seu lugar.
Estou indo, mas não sei se volto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©