22 de fev de 2011

A personagem



Ando sentindo sua falta mais do que qualquer coisa, ando querendo dormir, dormir e dormir; Ando querendo desacreditar da fé que sempre tive e ando querendo sair por aí, sem se importar com mais nada, como se a vida fosse um eterno ciclo vicioso que nunca irá parar.
Sinto falta de quem eu era. Sempre queria ser legal, completa, e culta demais para poder impressionar aquele menino. Não me preocupava com mais nada. Passei a ler mais livros do que o comum, conheci novas músicas e fiz meninos sofrerem, para poder mostrar a quão perigosa era em sentidos de relacionamentos.
Quis mostrar para Deus e o mundo o quanto era bem resolvida, na verdade, era só apenas uma farsa que inventei, para que ele pudesse ver que realmente seria a mulher (ou menina) que abalaria a vida dele para todo o sempre, se é que existe isso mesmo, essa ideologia criada para ter a ilusão que um dia tudo ficará realmente.
 Quantos casos de amor você conheceu, tinha tudo para dar certo e acabou terminando brigados, indiferentes e perdidos?  Pensou? São muitos, não são? É disso que tenho medo. Essa ilusão criada de tudo ficará bem no final não me engana muito, e tenho medo, muito medo. E conhece aquelas músicas que sempre falam que tudo será recompensado? Então, não acredito.
Não, não é falta de fé, é apenas a realidade que está ao meu redor, e tomou conta de absolutamente tudo, tudo mesmo. A realidade acabou com a minha farsa e com a minha brincadeirinha tão inocente mais uma vez. A vida me chama lá fora, e eu não quero ir, pelo simples fato que aqui dentro é mais acomodado.
Ninguém imagina, mas tenho mais vidas do que pensava. Creio que sou uma vida para cada pessoa que me lê. Ora me imaginam como bem resolvida, ora me imaginam uma dramática e até mesmo uma suicida em potencial. Tenho tantas personalidades e máscaras sim, não é por mal, também, não as uso para prejudicar ninguém. Me reinvento em cada situação, crio escapatórias, crio contos, crio personagens. 
Peço que tome cuidado com suas palavras ditas se referindo diretamente a mim. Peço isso porque naturalmente sou frágil, essa é a verdade, e qualquer palavra mal dita que fora mal pensada me magoará.
E vejo que tem dores tão piores e mais intensas do que a minha.  Não é dor que eu sinto, talvez seja um misto de sentimentos que me invadem e fico perdida. Já sou tantas em uma que não sei nem ao menos quem sou de verdade, perdi minha verdadeira personalidade quando resolvia me moldar para que ele, o garoto, o menino, o homem que tanto gostei (e gosto) pudesse me ver de forma diferente, pudesse crer que realmente nada mais seria preciso.
Tudo é questão de se acostumar, aos poucos a dor que inflamava meu peito me faz companhia.  A solidão que me torturava hoje me faz crer que tudo que é de verdade, por mais longe que esteja, é simplesmente isso, é simplesmente de verdade.   Nada mais me afeta porque não há mais nada para ser afetado.  Não crio mais expectativa, porque já criei tantas e me deparei com o vazio absoluto.
Quis ser tudo para ele, já que ele foi tudo para mim. Mas não chegou a ser como naqueles poemas ou até mesmo aqueles textos que diziam “o ar que respiro” ou coisa parecida. Ele chegou a ser o que me faltava.
Ele me fez sentir tão viva e tão completa.  Ele me trouxe a sanidade que me faltava, não que era louca, mas vocês sabem... Ele me trouxe de volta a vida, mas depois que se foi eu quis voltar para aonde não deveria ter saído nunca. Quis voltar a ser minúscula aos olhos de todo mundo, quis sumir, quis voltar, mas no fundo, queria mesmo era ficar e conquistar o espaço que tanto desejei e que perdi.
Fui tantas e acabei não sendo nenhuma para ele. Fui tantas em uma só. Fui uma só em tantas que vagaram e sonharam. Pude falar para aquelas que não tiveram voz. Falaram muitas vezes por mim quando não havia coragem. Fui o que ele sempre quis, mas talvez, ele foi o idiota bastante para não perceber e tomara que ele não perceba tarde demais.
Fui o que todos queriam que eu fosse; a quieta, a falante, a apaixonada e a desiludida, mas agora vou ser o que quero, e posso assumir minha dor que hoje sinto. Hoje estou desiludida e com dor só de pensar em viver, amanhã já não sei, amanhã se for preciso, novamente irei me reinventar sem desculpas, e sem perdão. Vou ser o que quero, e por isso, hoje te quero muito, muito bem. E é uma pena que hoje, eu não acredite em sonhos, porque seria capaz de lutar por você, somente hoje, até o fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©