12 de fev de 2011

Sua partida



Onde você está? Você está feliz? Fez alguém sorrir ou amar nesses dias que são tão compridos e tão monótonos?  Ainda tem aquelas insônias? Ainda fala daquela maneira que me irritava? Ainda quer me conquistar? É, tem razão, você já me conquistou. Desculpa, desculpa.
Olhe que doido. Comecei a liberar para que eu pudesse sentir-se com uma adulta, e estou tentando virar algo que nunca fui e nunca tentei ser, ou se tentei, não me recordo. Nem sempre tudo que restou dos momentos, das falas, das vozes e risadas virou lembrança, nem sempre que ficou foi péssimo, nem sempre que ficou foi triste ou desconsolador. Aos poucos percebo que a sua partida não foi totalmente isso, pude aos poucos me tornando adulta e pude conviver com partes que são minhas, mas que eu as detestava. Pude conviver dia a dia com a solidão, e com agonia, e assim, pude aprender a ser mais humana, sensível e frágil . Não adianta ficar observando só os lados tristes da história, porque todos sabem que realmente não acontecem somente assim, todos sabem que não é só de tristeza que constituí uma história, uma hora ou outra o lado bom dela aparecerá, só que ultimamente estou achando difícil encontrar algo bom, renovador e bem, bem bonito.
Ultimamente prefiro não encontrar e não me encontrar e quero continuar perdida.  Quero que ainda me olhem com aquele olhar de dó só para provar que estou bem, depois de cair inúmeras vezes.  Não quero provar para ninguém que você existiu ou não, não quero ter que provar outros sorrisos, outras vozes para ver qual delas consigo me adaptar, e futuramente irei me apaixonar. Sua voz é a minha preferida, ela era como uma canção ou algo bem brega que possa realmente retratar a mais sinceridade que haverá de existir quando se trata de algo que se foi, mas que deixou marcas profundas.
Jamais conseguiria dizer que te amei muito se não fosse verdade, jamais conseguiria sentir nojo como senti se não pudesse ser real tudo aquilo que vivi e pude entender dia após dia. Claro coração, eu não te culpo, jamais culparia você por coisas assim. Eu só me apaixonei porque sou fraca e não consegui evitar. Só me apaixonei para tirarem a impressão de sozinha, e indiferente. O amor inventado virou muito mais que uma dor inventada, ela se tornou real, e infelizmente, o amor também.
A qualquer momento sinto que tudo irá passar, mas não sinto se você vai vim ou vai ficar. A qualquer momento sinto o meu coração explodindo pela garganta de tanto amor, mas também sinto muitas vezes ele bem apertadinho, como se estivessem pisando nele com muita força. A qualquer momento, sinto que posso acordar e você estará me olhando com o seu lindo sorriso de lado. A qualquer momento, tudo pode acabar definitivamente e assim, me tornarei mulher, adulta e muito bem resolvida.
Sempre estou à espera de algo que não sei bem o que é realmente. Acho que estou sempre a sua espera, mas não consigo dizer isso claramente para mim ou para quem estiver ao meu redor.  Estou sempre na espera, na sala de espera, esperando um doutor para que possa me curar. Estou sempre esperando, querendo, rezando e torcendo.
A sua partida me trouxe coisas que jamais poderia admitir ou contar, mas trouxe coisas boas e coisas ruins, e é normal. Nem sempre será tudo feliz, e nem sempre será sempre triste. A sua partida fez com que aos poucos, eu pudesse entender tantas coisas e pude crer em coisas que já havia ter perdido a fé há tanto tempo. Fiquei descrente por medo de ter fé demais. Fiquei gelada, por querer ser quente, fervente, escaldante demais. Quis acreditar até mesmo naqueles clichês vagabundos e tão sem nexos. Quis acreditar até mesmo em mim, em você, em tudo que existiu.
Mas a sua partida ficará marcada, como se fosse um ponto de encontro, e eu estarei lá, encostada, esperando algo que já não sei nem mesmo se lembra de mim. Esperarei algo sem fé, com medo de crer bastante e logo depois  ficaria decepcionada e não agüento, mas ferir o meu pobre orgulho.
A sua partida fez entender que, mais cedo ou mais tarde tudo tende a piorar ou a melhorar e que a vida está em constante movimento. Dia após dia, você se lembrará de mim, mas esse constante movimento em que a vida faz, não há nada indica que estarei aqui. Mas a sua partida aconteceu realmente para que no fundo, tudo se explicasse futuramente. Talvez, te encontro por aí, ou talvez, posso te perder para sempre. Mas nada disso impede que eu possa acreditar em destinos, signos, ciganas, cada vez mais.
Guarde bem isso, não quero repetir. Mas gosto de você, gosto muito de você. E se eu pudesse escolher, escolheria gostar do mesmo jeito. Porque eu sei que amores assim não chegam por mal, ou se chegam lá na frente, vão se tornar os melhores sentimentos que poderão existir.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©