20 de out de 2011

O meu amigo



Você era aquele que mesmo indo embora para sempre, acabava achando um jeito diferente de voltar. Você era aquele que eu poderia contar tudo que acontecia em todos aqueles dias tão difíceis e que jamais usaria isso futuramente contra mim. Eu sabia que poderia te contar quem era o último da vez, sabia até mesmo que você me ajudaria a conquistá-lo. Sabia que por mais voltas que eu desse ao redor do mundo, o único lugar que ironicamente parava e sossegava, era ao seu lado. Você jamais me negou sua companhia, por mais que aquilo me ferisse – e você sabia como ninguém o quão sua presença acabou se tornando um fato marcante – Mas hoje, não está mais aqui. Não procuro mais ninguém para contar nada, afinal, eles não são você. Eles não me entendem, não me consolam, e pouco se importam. Eles não possuem a voz doce que você tem, muito menos aquele jeito tão irritante de me tratar. O problema é que nenhum desses se tornou você com o tempo. Nenhum daqueles que um dia te contei, se tornou o escolhido para ocupar seu lugar.
Mas precisei te libertar de toda loucura que criei. Precisei te deixar livre, feliz, sereno e com outras meninas. Precisei te buscar em copos de doses fortes que me deixam sem lembranças, e até mesmo em algum pedaço de outro corpo. Precisava encontrar algum motivo para seguir em frente, e eu só conseguia pensar que não haveria nada para seguir. Eu só consegui pensar que era mais fácil a morte me levar de uma vez por todas. Só consegui pensar que nada disso era para mim. Achava até mesmo que alguém lá em cima ficava brincando de vodu com a minha bonequinha. Você nem ao menos sabe o quão difícil foi, porque nunca quis te contar os pontos fracos que houve nessa história. Mas hoje, depois de não sei quantos dias, posso dizer que ando mais calma. Atropelei meus sonhos e os sonhos de outras pessoas, a preço de quê? Não sei. Não quero nem tentar entender. Voltar ao passado dói. Sangra. Arde.
Voltar ao passado é uma perda de tempo. Tentei inúmeras vezes voltar para a história, mas você não era mais o mesmo que eu havia deixado. Você já não é o mesmo que me mandou ficar feliz e nem que disse pelos suspiros noturnos que sonhou comigo. Você já não é mais o mesmo que me mandou embora. E eu não tive outra solução a não ser chorar. Chorei porque você tinha ido embora. Chorei porque finalmente tudo aquilo estava passando. Chorei porque estava confusa com tantas entradas de meninos em minha vida. Chorei porque eu não poderia te contar tudo que estava me sufocando. Eu não sinto falta do homem que eu me apaixonei, mas sinto falta do meu amigo. Daquele que por mais difícil que fosse, estava lá me esperando para dar risadas das minhas aventuras. Não sinto falta do destruidor de sonhos, mas sim daquele menino, aquele mesmo que tentava me deixar feliz. Meu Deus, como eu sinto falta disso tudo. Parei o choro e me recuperei.  Limpei todas as lágrimas que caíram. Limpei até mesmo o meu pensamento daquela saudade tão fatal e corrosiva. Limpei meu pensamento e todo aquele diário que teimava escrever quando não podia publicar. Limpei tudo, mas não queria jogar fora.
Era o meu amigo. O meu anjo perdido naqueles textos tão sem nexos e curtos. Ele era aquele que eu poderia me tornar o que fosse mas que jamais iria me deixar – Engano meu, ele me deixou – Eu queria tanto continuar sendo sua. Eu queria tanto viver para você, sorrir para você, escrever para sempre para você. O meu sempre se tornou algo breve. O seu sempre se tornou algo tão banal. Mas ainda assim você era o meu preferido. Entre todos os errados, você era o que dava certo. Você era o que me salvava e buscava dentro daquela ilusão divertida que havíamos criado para passar o tempo. Nunca pensei que um dia você iria me deixar. Nunca pensei que você iria me mandar embora da sua vida. E isso dói. Dói porque hoje já não tenho mais para quem contar todos os meus planos. A solidão foi à única alternativa que agarrei na vida. A solidão é a única companhia que me serviu nesse tempo todo.
Eu não sinto falta do seu silêncio, sinto falta da sua gargalhada tão gostosa, da sua voz abafada e até do mesmo jeito que você olhava para as outras meninas. Eu sinto mais falta sua do que qualquer outro que passou por essas linhas. Eu sinto tanta sua falta mas você não vai voltar. Não quero voltar ao passado, mas sabe meu amigo, escrever só me faz te encontrar.  Escrever só me faz voltar. E é tão bom voltar aquilo que estávamos acostumados. É tão bom ser sua nessas linhas. Mas é muito melhor seguir. É muito melhor prolongar a vida e acreditar novamente em sonhos. É tão bom, mas me dá uma saudade. Uma saudade quase humilhante. Uma saudade tão bonita, tão competitiva, tão forte. Mas eu sei, você não vai voltar porque sinto saudade. Você se foi. E eu também vou continuar indo até que um dia alguém me faça parar com esse masoquismo que criei só para ser sua por um bom tempo. Não sei por onde você anda, mas lembre-se: Quero que você fique feliz como se estivesse renascendo todos os dias. Não se deixe levar por promessas e nem tente causar a dor naqueles que só querem te ver bem. Não se esqueça que tudo que um dia foi, talvez, voltará. Mais cedo ou mais tarde.
Prometi que não iria me deixar levar novamente por essas lembranças, mas não encontro nenhum jeito de evitá-las. Quando percebo estou lá, voltando ao passado e querendo te ter por perto. Quando percebo, volto, e fico. Um dia vai passar, só não sei quando. Você se foi, se perdeu, e também me perdeu. Perdeu para aquele que conseguiu me fazer sorrir e até mesmo me suspirar. Desisti de te buscar em tudo aquilo. Hoje, quero que me busque, me encontre, me tire daqui. Desisti de algo muito mais forte do que a minha força. Desisti. Tudo isso pode ser triste demais mas ao mesmo tempo, estou dando uma nova chance. Estou querendo ser feliz. Estou querendo encontrar algo perdido que nem sem bem o que é. Estou querendo apenas encostar minha cabeça e esperar que a saudade passar. Não é doloroso, é apenas a realidade. Você era tudo aquilo que precisava e eu estava longe de ser tudo aquilo que buscava. Mas era divertido demais. Engraçado demais. Era apenas um amigo, apenas um conforto que hoje sobrou só saudade. Um amigo tão lindo, tão arrogante e prepotente, que só conseguiu deixar saudade. Saudade de algo que jamais irá voltar. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©