12 de out de 2011

Nonsense


Nonsense. Nada mais faz sentido. Te amar não faz mais sentido. Sentir saudade não tem sentido algum. Queria te mandar embora da minha vida e das minhas lembranças, e eu fui atrás disso. Cada dia era como se fosse uma passagem de fase em um jogo de vídeo-game. Cada dia era uma busca de outra pessoa ou até mesmo um sorteio de quem poderia me fazer feliz naquele dia. Tentei substituir tudo que eu havia passado por outras coisas. Mal sabe que andei perdida e sozinha, mas você me via de outra forma, você me via como a desapegada. Eu andei bebendo demais, fumando demais, fazendo merda demais. Andei querendo ser cool mas acabei sendo só um lixinho tóxico. Mal sabe você que cada dia que terminava era como se fosse uma etapa vencida, um dia vencido. Cada dia que passava eu agradecia. Agradecia por estar viva, agradecia por saber que ainda sobrava fé dentro de mim, agradecia porque sabia que o fim estava mais próximo que eu imaginava.  Apelei para todos os anjos, santos e ações. Fui me destruindo pouco a pouco. Eu não me importava com quem iria encontrar, a única coisa que realmente precisava era esquecer tudo. Me infiltrei num mudo só meu. Lá eu poderia encher o meu saco e me maltratar como ninguém. Lá eu poderia te amar infinitamente todas as noites. Eu fui tonta por entregado o meu futuro em suas mãos, mas mais tonto foi você por me deixar ir embora. Não faz mais sentido estar aqui. Não faz mais sentido te amar as escondidas.
Você termina relacionamentos com uma rapidez incrível, e enquanto isso, fico escrevendo meus contos porque tenho medo de viver a vida conforme o mundo realmente cobra. Eu tenho medo de viver demais e com isso me ferrar demais. Não agüento mais sentir dor, não agüento mais sentir sua falta, e não suporto mais olhar para o lado procurando algo que deixou de existir . Minhas amigas vivem me apresentando meninos bonitinhos ou interessantes, mas minha atenção não fica somente neles, fica nos gestos, nos sorrisos e do jeito que eles me olham. Elas me apresentam meninos de tudo que é forma e eu só consigo mostrar uma indiferença que já nem é minha. É como se eu me tornasse você pouco a pouco. Eu tento achar defeito para não amar descontroladamente. Tento achar algum defeito entre esses meninos que tanto me usam para não escrever sobre eles. Tento até mesmo achar suas características dentro deles, mas não consigo. Não consigo me prender. Se acontece algo, viro de costas e vou embora. Não fico. Não quero que saibam meu nome. Não quero que me perguntem sobre você.  E não faz mais sentido ser descolada ou mente aberta. Chamem do que quiser.
Precisava seguir em frente igual você fez um dia. Precisei ir embora também. Precisei buscar formas para poder ir embora sem sofrer ou sem me recordar. Olho para o meu celular mas sei que não haverá mais ninguém para ligar e também não quero ligar para ninguém. Deixei que o mundo fizesse o que tinha que ser feito. Deixei que todas as boas e as más intenções se espalhassem sobre mim. Até mesmo deixei de ser aquilo que todo mundo estava acostumado. Não sou mais a santinha ou a meiguinha de antes. Não sou mais aquela menina que você deixava tão sem graça. O que sobrou é isso aqui. É esse texto amargurando. São essas linhas que no fundo não fazem sentido algum. Por que eu escrevo? Por que eu te quero de volta? Por que não acaba? Sempre acaba, essa é a verdade. Todas as noites esse amor incondicional acaba. Nas festas, nos bares e na rua, esse amor já não toma mais conta de mim. Consigo controlar essa situação mas de uma forma humana. De uma forma desapegada e até mesmo indiferente. Mas eu me importo. Tenho tanto medo de que um dia você sofra. Tenho tanto medo que um dia te façam pagar por tudo aquilo que você me fez.  Eu queria que você soubesse de tudo que eu passei. Encontrei meninos e abusei de suas boas intenções. Encontrei pessoas e desusei. Como se fossem descartáveis e passageiras. Tudo que eu queria era te encontrar, mesmo que fosse numa noite qualquer. Mesmo que fosse apenas um aceno de longe e um sorriso de lado.
Mas finalmente aquele amor corrosivo foi se transformando em apenas uma saudadezinha. Uma saudade sem nome, sem cor, sem dor alguma. Uma saudade que era tão arrematadora e que hoje já não faz sentido algum. Na verdade, tudo deixou de ter algum sentido. Nada mais faz sentido. Nadinha. Nem eu. Nem você. Nem a nossa história. Nem os outros que são sempre os outros.

Nonsense - expressão inglesa que denota algo sem nexo. 

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Encontrar seu blog foi uma benção! Passava por essas mesmas situações há exatamente um ano. Não tinha vontade de mais nada, apenas chorar. Minha vida era isso: acordar chorando, dormir chorando, viver chorando. Eu assistia filmes românticos apenas para ter mais um motivo para chorar. Eu lia as mensagens, via as fotos, as filmagens, as lembranças só por ter o gosto da saudade. Não era uma saudade qualquer, ela era arrebatadora, ela me destruiu pouco a pouco. Os outros caras não tinham graça alguma, não tinha sequer vontade de sair. Eu queria ficar trancafiada em casa, à espera de alguém que me tirasse daquela agonia insuportável e trouxesse vida à minha "existência". É difícil, não é? Você deve saber como é horrível se sentir dessa forma, e eu me senti assim por meses e meses. Eu até tentei investir num namoro para esquecê-lo, o que só piorou a situação: parti um coração inocente, e com isso sofri ainda mais. O tempo passou, e agora me pergunta como estou: ótima! Renovada! Estou viva, em outras palavras. E esse é seu próximo passo, assim como vi você falando no seu último texto. Só basta você se dar a chance de ser feliz de novo. Boa sorte! ...Vale lembrar que eu amei isso tudo! Obrigada por me descrever tão bem! rs

    ResponderExcluir


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©