16 de mar de 2011

O que hoje eu sinto.




Não sei se um dia voltarei a te encontrar, não sei se voltarei a te dizer coisas lamentativas  e dramáticas, não sei se um dia esse misto de sentimentos que guia os meus dias irão voltar para onde nunca deveriam ter saído. Depois de tanto tempo – Não sabe o quão difícil é ver apenas o seu rosto, o seu jeito, o seu sorriso de lado no passado – Depois de tanto tempo, eu começo a ver que cada um tem seu destino e que acidentalmente eles se cruzaram, e depois cada um segue uma estrada, e assim, a vida segue dia após dia.
Chorando ou rindo, mas o importante é continuar, mesmo ardendo de aflição, mesmo com suas manias e vícios, o importante sempre será seguir em frente, mesmo implorando para ficar atrás. Não sei se um dia tudo voltará ou tudo partirá finalmente. É tantos não sei numa pequena vida, numa minúscula vida, que fico sem graça de retratar algo tão sem graça como o amor. Sempre me esqueço de qual é a verdadeira função do amor. Dia após dia, talvez, ele quer mostrar para todo mundo que ainda existe algo maior que orienta os descrentes, e ilumina os que querem ficar na escuridão.
Caótico, não é? Pois é, eu também acho. Aos poucos, o amor vai se acomodando na memória, como se nunca existisse e como se jamais tivesse a pretensão de acontecer. Aos poucos, a saudade vai se moldando, vai se tornando mágoa e quem sabe, tristeza. Aos poucos, esse amor mal resolvido que vaga dentro de mim vai se tornando apenas um texto melodramático sem graça. Aos poucos.
Eu vou mudando.  Se lembra de mim antes? Então, tem alguma coisa em mim que se parece como antigamente? Você me transformou em duas, na boazinha e na espertinha. Com você aprendi coisas tão engraçadas mas ao mesmo tempo tão descrentes. Você me fez ter fé, algo que já havia perdido há tanto tempo, me trouxe o que faltava em minha vida, você me trouxe a esperança de dias melhores, meio que música de rockstar não é? Eu sinto tanto a falta de te contar sobre coisas idiotas mas que faziam meu mundo valer à pena.
Você achava engraçado o meu jeito de examinar detalhes, você achava engraçado essa mania minha de querer sempre ser a queridinha de algum moço que tenha banda, você sempre achava engraçado o jeito que eu falava ou que retratava o amor. E eu sinto falta de ser engraçada para você ser me achar engraçada.
Por não saber o que será, eu vou insistindo mesmo tendo a consciência que minha fé, paciência e esperança está acabando. Mas cada vez que tudo se afasta, mais eu sinto, como se fosse um sentimento interminável e forte. Como se fosse apenas uma história que deve ser contada, mas que jamais deveria ser lida. Como se o mundo valesse a pena ter você e me ter ao mesmo tempo. Como se tudo acabasse hoje, mas ainda sim continuaria existindo dentro de cada um que me lê e que está num momento igual ao meu.
Levo essa história aos quatro cantos para que cada um conheça uma ironia do destino. Somos tão parecidos mas os mesmo tempo tão diferentes que ainda creio que vale à pena tentar nessa confusão criada dentro de mim, dentro dele, e dentro de você que me lê.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©