22 de mar de 2011

Nossas vidas.


Fiquei naquela luta de ter e não me ter. Fiquei naquela história de me apaixonar e não me envolver. Fiquei e ao mesmo tempo queria ir em frente e deixar o meu mundo para trás, sem nenhuma despedida, sem nenhum choro ou drama. Pensei que ficaria louca, porque andava querendo encontrá-lo. Comia o que ele me indicava. Estudava os resumos que ele me passava. Até que eu parei com essa besteira e comecei a seguir meus próprios pensamentos. Fui deixando ele para trás, fui partindo aos poucos e não avisei.
Ninguém ganhou e ninguém perdeu. Fomos o que podemos ter sido na hora certa e no momento errado. Tem jeito? Tem.  Eu o amava, ele me amava também (e tudo me levava a crer isso) só que havia quesitos e mais quesitos que nos separava. Não poderia ter sido melhor, não poderia ter sido tão cheio de vida e tão harmonioso. Não poderia ter sido diferente.
Eu pensava que tudo poderia ter sido e não, eu pensava com mágoa mas hoje não tenho nem o porque de pensar assim, ele existiu para mim e eu existi para ele, e isso fazia com que nosso mundo encaixasse uma vez na vida. Nossas vidas se cruzaram e deixaram marcas profundas que hoje só ardem um pouco dentro do meu peito. Nossas vidas se cruzaram e vão se cruzando como se fosse um único caminho para várias estradas.
É verdade, não falo mais com ele. É verdade mais ainda que ele já me esqueceu. Mas eu não o esqueci, e isso faz com que crie mais esperança e mais fé naquilo que sempre acreditei. Tudo que gostaria era que ele voltasse e ficasse por mais tempo, para me mostrar que nada aquilo que idealizei um dia foi mentira. Queria que ele voltasse e dissesse o que nunca me falou, talvez por medo, ou talvez por ter sentido depois que eu fui embora. Não é assim que se fala? A gente só dá valor quando se perde. E acho que ele não me perdeu, e por isso nunca me deu o verdadeiro valor.
Nossas vidas serão apenas linhas cruzadas sem um caminho certo. Não poderia ter sido diferente, ele me marcou, e eu o marquei fundo. Um dia, ele se lembrará de mim, com mágoa ou com saudade, com dor ou com muito amor. Mas tenho medo de que quando esse dia chegar, eu não lembrarei mais como me senti quando ele me ligava ou quando dizia algo que fazia meu mundo valer a pena. Nossas vidas são isso. Minha vida foi ele, e hoje ela já está acostumada a não ter o menino por perto. Mais cedo ou mais tarde a gente se acostuma com a dor e com a falta de amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©