12 de mar de 2011

O não sofrer



Mais um dia para enfrentar e sobreviver sem ferir ninguém e mesmo assim, sem deixar que a vontade de que tudo volte, passe. Tudo ficaria extremamente estranho se ele voltasse, mas peço tanto, implorei tanto para que isso acontecesse, que acabei esquecendo que o destino é quem manda em todos nós. Não é assim que se diz? Destino. Ele escolhe por você, mas como os mais velhos dizem : O destino é a gente que faz.
As perguntas mais simples possuem as respostas mais complexas, e disso eu entendo. Sou complexa, sofrível e um pouquinho (pra não dizer muito) sonhadora. Sei o quando deve começar, mas nunca sei quando devo parar. Sei quando devo acreditar, mas nunca sei na hora que é realmente uma mentira. Sei quando devo ficar, mas às vezes, até sei quando tenho que partir para sempre.
Sempre é uma palavra tão infinita e pura. Mas ninguém se importa, mas eu me importo. Sempre ou nunca. Sempre ou quase. Quase fomos mas sempre estivemos. Quase fomos um casal mas sempre estivemos unidos e fortes, e aí de quem iria contra a gente. É muito mais que uma história de amor, é quase uma história de irmandade. Tem mais do que amor envolvido nisso, tem carinho e complexidade.
Ele testou todo o meu vocabulário, e testou minhas manias. Aos poucos, ele foi me testando, e eu nunca tinha percebido, ou se percebi, nunca quis aceitar. É tão difícil ver algo que está estampado em nosso rosto.
Sempre quis ver o que era preciso, e ignorei o que sempre achei descartável. Mas foi ao contrário, vi coisas que não eram para ser vistas, usei pessoas, magoei corações e só me sobrou esse nó no meu peito inflamado. E agora sabem o quanto eu estou arrependida de fazer tudo que eu fiz.
Tenho dezessete anos, pouca experiência, mas sofro como se já tivesse vivido muito. Apanho da vida como se tudo que eu vivi foi uma carga, apanho da vida e eu não sei reagir, pelo simples fato que não tenho mais forças. Esgotaram-se todas, não tenho fé, não tenho ingenuidade, e não tenho compaixão.
Eu quero ficar quieta no mundo que criei, onde nenhuma dor me poderá atingir. Quero ser uma simples personagem. Quero esquecer  vai que tudo isso passa...De tanto causar sofrimento, o que eu quero é que me deixem em paz. Quero sorrir com o sorriso mais sincero, quero chorar com as lágrimas mais dolorosas. Mas quero ser tão de verdade.
Só quero esquecer que fiz mal a tanta gente, e que fiz muitas delas choraram. Só quero esquecer que, um dia me importei muito com ele, que nunca se importou, ou se importou, foi grosseiro.  De tanto evitar sofrer, acabei sofrendo. O Não sofrer só fez com que minha alma fique pequininha, pouco vísivel a olho nú, e ela implora desesperadamente para que tudo mude. Mas como poderá mudar algo que não pode ser mudado? Eu só queria que pudesse entender que tudo que fiz, só me fez sofrer, e que ele havia me tirado toda essa falta de perdão por mim mesma. Mas agora, eu sei que um dia tudo isso vai passar. Porque é assim que acontece. O fato acontece, depois é esquecido. Logo serei uma lembrança feia, numa página amarelada, mas não me importo. Eu só quero ficar quietinha, e tudo ficará bem de novo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©