4 de mar de 2011

A arte da razão


Em algum lugar você está. Não sei exatamente o local exato mas sei que você sorri e consegue ser inteiro, e eu sinto inveja. Inveja porque você sempre foi sensato e eu a louca que queria sugar todos os sentimentos seus, sendo que na verdade deveria ser ao contrário. Sempre fui muito sensata, e muito controladora e dessa vez, não controlei, nada saiu conforme estava nos meus planos.
Mesmo se você quisesse entender o quanto insisti nessa maluquice, você nunca entenderia mesmo, e no final das contas me acharia uma louca. Você nunca entenderia os meus detalhes, e as minhas teorias, porque sou complexa demais. Sou demais em relação a complicação. Eu consigo tornar coisas simples em grandes coisas complexas.
O tempo é o senhor da razão, não é assim que dizem? Então, estou esperando o tempo chegar para tudo ter alguma razão lógica e coerente. Porque a razão que inventei é bem mais triste e vazia do que qualquer outra. Desisto de querer ter sempre o controle de tudo.
Se eu pudesse, claro que escrevia uma história com frases cheias, parágrafos com frases de efeito e um final feliz, mas sejamos verdadeiros, nem todo mundo é feliz, nem todo mundo consegue ser de verdade.
Quem nunca planejou algo que nunca chegou? Então, tá vendo? Você já fez isso. Então, por que me julga tanto? Por que quer me ver tão longe sendo que só quero seu bem? Por quê? Eu só quero saber todas as respostas mesmo sabendo que isso é tão impossível.
É verdade, estou conseguindo me apaixonar novamente. Ele me trouxe algo diferente, é totalmente oposto da nossa história, tão diferente, e eu penso muito. Penso nele sim, mas, não tanto quanto pensei um dia nesse amor que senti um dia que me comovia..
Mas jamais falaria isso para você, sabe por quê? Porque eu sei que você vai embora se eu te contar isso.  E assim, perderia a graça de ter um amor platônico.
Esse amor foi uma tortura, mas ao mesmo tempo, me ensinou a como ser forte. Me ensinou que era muito mais que uma menina solitária no meio de tanta gente vazia.
Não sei se eu fui a culpada ou se foi você. Você abandonou tudo antes da hora que programei, não estava preparada para te deixar. Não estava nem ao menos pronta para te dizer um lindo adeus, um feio adeus, um triste adeus, um simplesmente adeus.
Por mim, você não iria embora tão cedo do meu mundo, você me trouxe a paz, e isso é tão lindo. É um príncipe,  mas um príncipe estranho, que enquanto não acha sua princesa, se diverte com outras, e quer sempre mais outras e mais outras. Mas eu não seria a princesa, ou seria? Mas eu sei, essa história não é uma estória.
Me tornei uma observadora. Só sei olhar e não consigo me aproximar. Só sei querer ficar distante, só quero ficar quietinha esperando que o sol volte, e que pare de chover.
Claro, não sei, não quero saber e também tenho raiva de quem sabe. Não quero me infiltrar, porque eu estou acabada, estou exausta e não quero outra história, outro amor, outro coração em minhas mãos. Não sei o que faço quando me entregam um coração, mas sei o que quero que fazem quando estão com o meu coração nas mãos.
Eu te amo, amo você, te curto pra caralho. Entenda como você quiser, mas saiba que dentro de mim estará sempre você. Dentro de mim espera loucamente sua volta para que você possa saber que, apesar de tudo sempre fui sua e vou continua sendo até quando tudo isso mudar.
A arte da razão, e a coleção dos amores. A arte da razão, e as dores do destino. A arte da razão, e a verdadeira história de amor.


Ps: Minha grande arte sem razão  -  QUATRO meses sem ele - 120 dias sem ele - 2880 horas sem você.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©