26 de jul de 2011

De novo


A noite chega, ando pelo meu quarto igual uma louca. Procuro não sei o que. Só pode ser o amor vindo,só pode ser isso. De novo não. Eu já tinha te esquecido, estava até pensando no cara mais comedor e cretino que conheci. De novo não! Você passou, você me esqueceu, se lembra, amor?  O cretino vai me dar valor se eu resolver deixar tudo o que me resta de lado, então, adeus cretino. Mas ainda assim, ele daria valor a quem escreve descontroladamente durante um ano inteirinho.  Ele daria valor a tudo que eu fiz. Engraçado não é? Um perfeito Cretino me dá ao valor e você, uma pobre criança carente nem se importa com que eu sinto. De novo não, de novo e de novo, e mais uma vez de novo, sinto como se estivesse ao ponto de enlouquecer. Sinto como se estivesse sentindo um amor incondicional por todos os habitantes do planeta, mas o pior de tudo não é isso, o pior de tudo é que não sei por quem sinto tudo isso. 
Minha alma foi vendida. Fui vagando até encontrar algum lugar para que eu pudesse ser o que sempre fui, mas já era tarde demais, eu havia sido deixada e coisa pior não poderia me acontecer. E de novo, não consigo cansar. O amor dentro de mim, guardado a sete chaves, e sem chance alguma de se libertar. Eu só queria esquecer, e eu estava disposta a isso. E o cretino apareceu, o cara mais comedor que já conheci, mas eu o ignorei, não serei fácil, não serei nada, porque ele é impossível e ele é da cidade onde passei a minha infância toda, praticamente. E eu só penso nele pelo fato que não agüento mais amar alguém que me deixou. Não agüento mais acordar e me sentir perdida demais, solitária demais, triste demais. Não agüento mais procurar de rosto em rosto alguém que possa me fazer feliz.
Não vai haver algum homem que possa me fazer feliz até que eu permita que isso aconteça. Se eu não permitir, nenhum homem conseguirá me fazer sentir inteira, completa, cheia de vida. Me entendem agora? Se eu não quiser, o amor jamais vai embora. Depois de muito andar pelo meu quarto, e vagar como uma zumbi pela minha casa, resolvo deitar e fiquei pensando no que o mundo poderia estar preparando para mim, haverá outras despedidas, haverá mais amor (certamente) e será que não haverá mais você?
Será que continuarei andando, caçando, procurando você totalmente em vão? Será que nosso destino jamais se encontrá novamente? Você não acredita em destino, mas o Cretino acredita. O Cretino pode até mover o mundo para me conquistar e você não. Você não sente medo de me perder? Você acredita realmente que esses textos são para você? Não tem medo que eu acorde simplesmente sem esse amor entalado dentro da minha garganta?
Sinto um amor surreal. Mas por quem?  O Cretino não sabe que eu escrevo. Na verdade, o máximo que consegue me chamar é de culta, e eu acho uma graça. Porque mal sabe ele que em cada curva do meu corpo há alguma história. Em cada parte da minha boca há uma palavra de carinho querendo sair mas eu a prendo dentro de mim. Mal sabe ele que sou uma louca, meio apaixonada, e tão virginiana. Mal sabe ele, que somos do mesmos signos e que já fiz até a combinação para ver se daríamos ou não certo. Mas não importa, não hoje. Logo eu o esqueço, eu sempre o esqueço. Ele some, faz sucesso, depois volta. E enquanto isso, você, apenas some, não faz sucesso e muito menos volta. Você sabe que jamais procurei, não darei minha cara a tapa. Prefiro o silêncio.
Dou os ombros e penso que estou feliz. De novo não. Não mesmo. Não haverá amor, não mesmo. Já cansei desse joguinho, cansei até mesmo de ficar me arrastando. Se eu fosse tão corajosa como acho que sou, certamente já teria ligado para você e mandaria pastar, ou quem saber, tomar no cu. Mas não, sou uma menina e preciso ser meiguinha, preciso me comportar, preciso ter essa história de amor próprio. Mas nada disso impede que eu sinta um ódio enorme. Depois de tanto amor aglomerado há somente o vazio. Não o perdoarei, não agora. Mas de novo não. De novo não deixarei meu orgulho acabar.
De novo não deixarei de viver só para procurá-lo. De novo, ou não tão novo assim, não estou nem aí para o mundo. Não estou nem aí para as boas ou más intenções. De novo ou não, nunca mais deixarei de ser o que sou para tentar ser o que o menino quer. Não mesmo.  Nenhuma carta há resposta, nenhuma combinação de signo há um sinalzinho pequeno de esperança. Não há mais nada, it’s over. Acabou. Acabou não, ainda está começando. Até a merda do horóscopo me manda seguir em frente. Mas pelo amor de Deus, como é seguir em frente?  Já não sei mais andar e não procurar. Já não sei contar a minha história sem ter algum parágrafo sobre você. De novo, eu te amo. De novo, eu te quero por perto. 
E não tão de novo assim, quero te esquecer. Mas também não quero o cretino. O cretino é desapegado, ele é bonito, tem um jeito fofo, mas é cretino, mas você também é assim. Pouco me importa. De novo, de novo e de novo. Passou, não sinto mais nada. Nadinha. Passou. Mas calma, vai passar, mas sei que posso sentir tudo isso novamente. Mas dou os ombros e só penso que como seria bom se o mundo passasse ou acabasse de uma vez. Mas não estou nem aí.
Mas quando olho pela janela, começou amanhecer. A intensidade foi acabando, meu pensamento foi diminuindo, parei até mesmo de sentir tanto amor. Simplesmente fui fechando meus olhos. É melhor dormir. O mundo gira, e eu vou ficando cansada. É melhor dormir, é melhor deixar para depois, é melhor o amor passar. Pode vim amor, estou aqui! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©