20 de ago de 2011

O nosso caminho



Nos perdemos no caminho, ninguém nunca mais nos ensinou qual estrada que deveríamos seguir, ninguém pode ensinar como é que se vive depois de ter perdido um amor. Talvez não tenha perdido realmente, talvez toda essa imensidão que senti um dia esteja descansado para que depois possa renascer às escuras. Talvez a única alternativa que me resta é seguir em frente mesmo querendo voltar para trás. Talvez essa seja a nossa estrada que evitamos durante o tempo. Seguir em frente mesmo querendo voltar e voltar e mais uma vez, voltar para o passado e reviver novamente tudo aquilo. Talvez essa seja uma alternativa, mas eu não a quero. Definitivamente não.
O nosso caminho continuará se cruzando em meio das paredes geladas e dos sussurros noturnos. O meu caminho continuará atravessando meninos, situações e até mesmo alguns sentimentos, mas nada grave. O seu caminho continuará atravessando por meninas, desejos e bebidas, porque você é feito disso. Vamos nos encontrar de novo, porque é isso que acontece. Nós resumimos nossas vidas entre vindas e idas só para não sentir aquela saudade aterrorizante. E você vai aparecer de novo na minha vida só para esfregar a realidade em meu rosto e dizer entre as pequenas frases de sempre. Você vai aparecer mais uma vez e esfregar em meu rosto que você continua lindo, indiferente, e mulherengo. Enquanto eu estou jogada ao vento, entregue a sorte e com o coração em tratamento.
Quanto mais o tempo passa mais certeza tenho que pouco a pouco o dia se refaz. Não haverá sempre as mesmas dores, algumas serão tão novas e outras serão tão velhas que você saberá lidar com todas elas.  Não há segredo algum como conseguir encarar a dor, aliás, o segredo é esse, o segredo é não se deixar levar por sentimentos falsos e promessas inválidas. O segredo é encarar tudo conforme o mundo diz. Não se pode lutar contra o destino, não se pode lutar contra o seu próprio futuro, e eu tenho certeza disso.  Lutei muito contra o meu destino, lutei muito para não me esquecer do que você foi e do que passamos, mas não adianta, aos poucos, fui me desapegando dessa história. Aos poucos, o nosso conto se tornou apenas uma pequena história numa página amarelada e que não contém título algum, porque se tornou indiferente demais.
O tempo passa, você amadurece, se torna alguém que nunca pensamos em ser.  Um dia me perguntaram o que eu ganho para escrever tanto por alguém que me deixou, antes não sabia bem o que dizer, mas hoje posso dizer com tantas as letras. Eu ganho o perdão por todos aqueles que passaram em minha vida e eu não dei valor porque estava infiltrada nessa história.  Escrevo mais por aceitar do que sofrer. Deixei de fazer o amor como conseqüência, não o faço de objetivo algum. Não tenho algum objetivo para hoje. Ultrapassei tantos os meus planos que acabei ficando zerada. Ultrapassei pessoas sem ao menos perguntar o que elas sentiam, ultrapassei e matei o que de bom havia dentro de mim. Não há mais nada igual aqui, não há mais a mesma história, nem mesmo os mesmos personagens. Cada qual ocupando um espaço diferente em tempos totalmente diferentes.
Sabe menino, me culpei muito por você ter ido embora. Chorei por muito e muito tempo, reclamei sua falta dia após dia e eu tinha apenas uma vontade de enfrentar o meu futuro por nós dois, mas não vale mais a pena. Talvez eu esteja enganada, talvez seja só ironias do destino que nos rondam, mas também posso estar certa. Talvez, o nosso caminho continuará se cruzando por todo o resto de nossas vidas, mas talvez, em meu desespero em ver que tudo poderia ser e não foi, tornará apenas mais algumas lembranças.
Sei que posso te encontrar, sei que posso não mais te ver, e também sei que nunca mais poderei dizer o seu nome, mas tudo bem. O nosso caminho sempre foi e sempre será esse, o nosso caminho se cruzará e evitará conforme o previsto. Mas está tudo bem, está tudo em paz, e eu não sei mais se te quero de volta. Posso parecer infantil, mas ainda assim, está tudo bem. Aos poucos, a gente esquece e supera. Aos poucos, nos tornamos adultos. Aos poucos, o tempo passou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©