4 de ago de 2011

Nove meses


Alfenas, 04 de agosto de 2011.
                                                  Para você,
Já se passaram nove meses. Nove meses atrás estava lá sofrendo, querendo acabar com o mundo e querendo acabar com as boas intenções. Nove meses atrás, te mandava embora do meu destino, e com isso, só sobrou uma pessoa saudade. Escrevo essa carta como se eu já fosse outra pessoa. Como se a sua falta causasse um grande efeito sobre a minha personalidade. Escrevo sem querer me desesperar ou desesperar alguém ao meu redor. Acho que a graça de sofrer tanto acabou. Acho que a vida está tentando me dar uma nova chance de recomeço, e pela primeira vez na vida meu coração está tão vazio, menino. Não tenho amores paralelos, acabaram se todos. Não sei o motivo, talvez seja por ser agosto, e as coisas nesse mês são reais demais, talvez eu esteja entendendo que não preciso de um homem para me deixar inteiramente feliz.
Não preciso de um homem para me abraçar ou para segurar a minha mão, até mesmo para dizer que me ama e não quer me ver sofrer. Não preciso amar ninguém compulsivamente para me tornar alguém feliz. Eu juro que queria que alguns desses amores durassem mais de meses, mas não vão, eles não chegam da parte do amadurecimento.Claro que de vez em quando eu sinto muito a sua falta. Sinto falta e não posso correr atrás de você. Já não tenho mais ciúmes, já não quero te ver morto – brincadeirinha – mas também não penso em te encontrar logo depois que acabar tudo isso. Sejamos sinceras, se você me amasse ou gostasse de algum texto meu, hoje você estaria comigo. Você não se importa e agora consigo finalmente entender que não me ama. Não sei se chegou a me amar, mas agora, essa é a verdade. E ela já não dói tanto em mim como antes. Tenho preguiça de tentar coisas novas, sonhos novos e até pessoas novas. Tenho preguiça de conquistar coisas diferentes. Me acostumei a ter tudo em segurança e reservado. Me acostumei a viver sem riscos, mas aos poucos fui até mesmo esquecendo desses pequenos detalhes que fazem parte da minha vida.
Mas e você? Como está vivendo sem ter a minha presença tão esmagadora e persistente? Como é respirar mais leve sabendo que já não há mais alguém perdida no mundo inalando tanto amor e tanta saudade? Qual é a sensação de saber que talvez, você acaba de perder só quem te amou verdadeiramente?  Se sente aliviado agora? Me conte. Quero saber qual é a sensação.  Pessoas desistem de mim, pelo fato que eu não as enfrento, simplesmente, fujo delas. Sabe menino, apesar de ter sofrido muito e comer realmente pão que o diabo amassou, acho que finalmente sei o sentindo de seguir em frente. Acho que agora estou pronta para te deletar realmente do meu mundo – Sem dramas, choros ou cartas – E eu estou nessa de me dar ao valor só porque o mundo quer. Porque no fundo, não quero nem saber de me valorizar, nunca fiz questão. Até me esqueço dessa teoria de mulheres bem resolvidas, e você sabe menino, não sou nada bem resolvida.  
Percebi que não gosto de ser a vítima da história. Odeio menininha que se faz de vítima. Eu não me importo, não deixo mais que ninguém sinta dó de mim, não deixo que ninguém mais dê aquele sorriso amarelado que no fim só serve de consolo. Foi tão difícil recomeçar. Volto ao passado e me vejo aquela menina com alguns quilos a mais, desesperada, procurando solução para tanto amor. E agora me olho no espelho. Poucas coisas em mim mudaram, talvez o olhar, ou a cor do cabelo, mas por dentro eu sou tão outra pessoa. Meus sentimentos mudaram, meus objetivos também.
Não sei se foi realmente melhor assim, não sei o que quero para frente. Mas agora sei que foi preciso passar por tudo que passei para tentar ser alguém melhor. Foi preciso chorar, reclamar, invadir mundos e quebrar paredes para aprender que tudo na vida há um preço e que devemos pagá-lo por ele, seja lá qual for. Aprendi que se eu não me libertasse, jamais te esqueceria e eu continuaria me destruindo dia após dia. Foi preciso passar por todo o sofrimento para ter a certeza de quem eu sou de verdade. O sofrimento não me deixou pior, me deixou melhor.
Escrever me fez entender. Abandonar às vezes é preciso. E seguir em frente é o caminho.

Ps: Espero que você esteja bem.
Ps²: Espero que fique feliz ao saber que estou melhor.
Ps³: Chega.
                                                                   Algumas saudades, Layla Péres. 

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. O desprendimento é o melhor remédio para a cura. O coração precisa estar livre, leve e aberto á novas sensações.
    Boa Sorte, um beijo flor.

    ResponderExcluir


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©