3 de jun de 2011

Encontro e desencontro


Sempre soube que mais cedo ou mais tarde teria que abandonar de vez essa história que me tira o sono. Acordava e queria só ser sua. Que se foda o resto. Eu era sua, caminhava, cantava, contava umas piadinhas só para mostrar para o mundo que ainda continuava sendo sua. Aos poucos esse amor foi me prendendo em um lugar tão triste, muito sombrio e sem sentido algum. E sabia, sempre soube, não nasci para que me deixassem aprisionada dessa maneira. Você não me amava e isso me fazia ficar sufocada com o meu próprio ar. O excesso de amor que senti por você me fez ficar cheia de ar. Mal conseguia voar, sonhar ou qualquer coisa que pudesse demonstrar essa reação bonitinha que havia. E de qualquer forma que pudesse ser, a única certeza que tinha era que queria te encontrar aonde for.
A única certeza era que poderia chegar quem for e ainda assim continuaria sendo sua. Mas aí o tempo foi passando de maneira rápida e eu me sentia confusa. Me senti várias vezes perdida e sem saída.   Mal sabia o que a vida quer de mim, na verdade, não sei o que ela quer de mim.  Você nunca me fez promessa e isso te fez diferente. Você nunca criou planos em cima de mim, e isso só fez com que eu pudesse insistir mais em mais. Fui insistindo em você até não ter mais forças para lutar. Insisti e você jamais insistiu em mim, e tudo isso se tornou muito patético.
Por não esperar muita coisa de todos, no fundo, já começo a  esperar. O ato de esperar me dá agonia. E eu odeio a agonia, aflição ou coisas assim. A vida é frágil e pessoas possuem sentimentos. Me estresso fácil, e desisto mais fácil ainda. Não me importo muito se tudo acabar hoje ou amanhã. Não me importo realmente se você vai voltar ou não. A única coisa que quero é te ver longe disso tudo. Sei que o meu amor te fere, te causa impotência, porque eu sei, estou praticamente implorando para que me ame ou para que volte. Eu quero que você seja feliz, mesmo. Sem cobranças ou choro. Quero que busque tudo aquilo que desejou, quero te ver longe dessa maluquice que criei para que pudessem sentir o mesmo que senti um dia. O meu amor mais passageiro e que se fez aos poucos eterno. O meu amor caótico, estranho e tão lindo. Você é lindo, todas as meninas te acham bonito e comigo não seria diferente, mesmo que eu ainda continue com uns gostos meios estranhos. Em paz, te digo isso. Você não se importou se me fez chorar ou se me fez sorrir, mas eu te falo isso.
É uma pena que tudo tenha se passado rápido. Jamais vou me esquecer do seu sorriso torto e da cor dos seus olhos. Jamais vou me esquecer do jeito que me fez sentir. Não vou esquecer dos nossos sonhos ou das nossas conversas que não havia nenhum fundamento mas ainda tudo isso fazia de você o único entre vários. Você sempre foi o melhor. Meu mundo era seu, eu era sua. Incompleta ou vazia, tudo isso era lindo. Mas o tempo passou, desculpe meu amor, o tempo passou. O tempo passou e eu sei o que me virei. Não foi por sua culpa, foi só culpa do destino. Você foi embora não por minha causa, foi embora pelo simples fato que teria que ir. Apenas isso. O destino mandou você chegar e obrigou que fosse embora para valer.
Não deixo mais a dor me vencer. Consigo sorrir e me olhar no espelho novamente. Não te vejo mais em tudo e nem te procuro em outras pessoas. Aos poucos, a antiga menina que morava em mim foi adormecendo sem medo de acordar. Foi dormindo igual o nosso amor. Ele descansou. Depois de apanhar muito, de chorar muito, implorar muito, o nosso amor está descansando. Ele precisa dormir. E por isso, me dei o direito de ser feliz enquanto você não chega.
Por mais que eu queria continuar escrevendo, revivendo, sofrendo com esse amor. Eu preciso deixar tudo isso de lado. Sou direta, franca e desligada. Pouco vou me importar se você me odeia ou se me ama. Comigo existe os meios termos, mas para me amar não. Ou gosta de mim ou me odeia, e você? Gostou? Eu sei, não haverá alguma resposta porque está tudo muito longe e eu estou cansada de correr atrás. Sempre me lembro de você. Uma lembrança aqui, um jeito igual de falar, ou até mesmo o nome que me chamava. Ainda sinto saudade desenfreada, sinto uma saudade linda. Mas é preciso continuar. É preciso acreditar novamente em sonhos. É preciso dar tempo para que tudo volte a ser como  é. Eu sei, guardo esse amor para que não acabe.
Hoje quero esquecer tudo que passamos, quero persistir nos meus outros sonhos – mesmo que eu pague caro depois por isso – É confuso mas é verdadeiro. Hoje quero esquecer, deixar para lá, anular os fatos e ir correndo atrás de algo que possa valer a pena – mesmo que a alma seja pequena igual a minha – Espero que o tempo voe para que você possa ficar de uma vez ao meu lado. Tudo isso pode até ser triste mas não deixa de ser engraçado. Torço para que eu seja aquela que mude de uma vez sua vida. Torço para ser aquela que você sempre pensa antes de dormir. Torço para que você sinta minha falta. Nosso jeito de dizer sobre o amor sempre foi tão único, tão diferente, que mereceu um lugar mais alto em minha vida. Quando soube que não queria nada comigo, eu chorei. Chorei porque eu sabia que de qualquer forma chegaria um dia que precisaria te esquecer. Chorei porque eu te amava e não via alternativa a não ser ter que seguir em frente.
Quero que você prometa que jamais se esquecerá de mim. Quero que me veja como algo bom que existiu entre sua vida. Quero que se lembre desses textos amargurados mas ainda com pontinhas de esperança que você volte. Escrevi tão abertamente só porque senti saudade. Senti saudade e não quero voltar. Quero seguir porque aí sei que posso te encontrar por aí. Talvez tudo mude, talvez não. O  encontro talvez acontecerá ou talvez a despedida falará por mim. Não depende só de mim agora. Sei que muita coisa poderia ser evitada. Sei que poderíamos ter enfrentado o mundo com isso. Mas deixo a vida ser do jeito que ela quiser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©