4 de set de 2011

Os dez meses



Dez meses de suspiros, silêncios e segredos. Dez meses de pensamentos, frases e clichês. Dez meses entre o uso e o desuso. Dez meses de conflitos psicológicos. Dez meses entre ir e ficar. Dez meses de tudo aquilo que eu pude aprender sozinha. Tive que enfrentar o mundo mesmo querendo ficar deitada o dia todo. Tive que seguir em frente mesmo querendo ficar parada. Tive que sorrir para não chorar. Tive que crer em esperança para poder viver novamente. Esqueci as más intenções para poder crer que poderia ter alguém perdido por aí com ótimas intenções.
Olhei para a página em branco tentando reunir tudo que eu gostaria de dizer entre esses dez meses que nos separam. Olhei novamente para os textos antigos e pude chegar a conclusão que não sou mais a mesma. Olhei para as minhas publicações na página da internet e me pergunto o motivo de tudo isso. Olhei para a sua página na internet e pela primeira vez não pensei que iria morrer de tanta aflição ou até mesmo de saudade. Tento reunir todas as frases que eu poderia te dizer mas não chego em nenhuma conclusão, não creio que algo diferente seja dito. Eu sou muito sozinha e não reclamo disso. Prefiro a solidão e tudo aquilo que ela pode me dar. Meu modo de viver é esse, não me apego às pessoas mas sim nas lembranças e isso é um grande erro. Não me apego naquilo que não houve significado, não me iludo com promessas vazias, na verdade, não creio e não faço promessas.  Hoje se completa mais um mês que eu resolvi ir embora de vez daquilo que me sugava e que no fim não havia um retorno. São dez meses de risos nervosos e silêncios. São dez meses de pura expectativa e um bocado de podridão. São dez meses e o tempo passou tão rápido.
Não sei se posso me orgulhar daquilo que sou hoje. Não sei se posso sentir totalmente realizada. Eu não quero mais ser a sofrida assídua, eu só quero ser uma menina que está quase com dezoito anos. Para ser sincera, eu queria que você estivesse comigo quando completasse dezoito anos, mas não terá nada disso. Você não lembrará do meu aniversário e no fim, não me importo muito com isso. Passarei o meu dia quieta, pensando no que fui e no que serei. Colocarei meus objetivos e sonhos numa balança. Vou querer a resposta de todas as minhas perguntas caóticas, mas ainda assim, ficarei em silêncio. Eu poderia reunir aqui tudo o que você me causou ao longo desses dez meses, mas quero mais é agradecer.
Não te culpo, não estou zangada, muito menos desiludida. Te agradeço por ter me mostrado que sou muito mais do que os outros esperam de mim. Te agradeço por ter me ensinado o valor das coisas. Te agradeço principalmente por ter me ensinado que é preciso ser de verdade, e que nunca se deve usar máscaras. Te agradeço por ter me feito enfrentar o que eu tinha medo. Você me fez enfrentar o que sou, e o que sinto. E pude ver que apesar de tanta desgraça eu ainda sou uma menina cheia de vida. Não deixo mais que a olheira ou o sono tomem conta de mim. Não deixo mais que a vida me arraste. Ando com os meus próprios pés e sigo o meu próprio caminho – Às vezes tenho uns tombos enormes pela estrada mas logo estou de pé, tentando andar novamente –  Te agradeço por ter ido embora e ter feito com que eu pudesse tornar algo bem melhor do que era antigamente.
Também gostaria de dizer que apesar de sentir saudade de vez em quando, não sei se é o que eu quero para mim. Desisti de enfrentar o mundo, não quero mais lutar por você ou por um amor que julgo que seja infinito. Acredito agora que nada é tão verdadeiro como o amor próprio. Sou uma menina confusa, eu sei disso, mas sei que meu potencial pode ser enorme. Mas isso acontecerá se eu estiver com fé. E ultimamente, tudo que eu mais quero é acreditar novamente nessas coisas. Voltei a conversar com Deus. Não tínhamos um relacionamento agradável desde que ele levou minhas estrelinhas. Mas voltei a conversar com o Ele. Sei que posso contar coisas e Ele nunca usará isso contra mim.
Foram altos e baixos, risos e silêncios, amores e copos de vodcas, entregas sem devoluções, usos e abusos, mas creio que isso só me deixou mais forte. Sei que agora posso enfrentar tudo que vem pela frente. Sei que posso ser alguém bem melhor. E continuarei nessa busca interminável com a minha solidão que não me afeta mais. Não choro mais por ter te perdido para sempre. Não reclamo por você ter ido embora. Eu sei também que você não se importa com que eu escrevo. Eu sei que você pode um dia voltar... mas sei também que talvez você nunca mais chegue.
Está tudo bem. Alguns tombos, às vezes, acho que é impossível mas vou lá e me levanto – Mesmo machucada e mancando – Está tudo bem menino, e quero que saiba que o tempo passou, e o nosso final está cada vez mais próximo. Aproveite tudo que deve ser aproveitado. Chore o tanto que for preciso. Acredite novamente no milagre da vida. Sonhe novamente, sorria novamente. E eu sei que tudo no final será recompensado. Sei que vou sorrir, sonhar e até mesmo amar. Mas está tudo bem.
Não acordo mais de manhã querendo saber em qual cama está. Não acordo mais com a saudade desconsoladora dentro do meu peito. Mas sei que algo dentro de mim ainda acredita que um dia você irá voltar. Engano meu, eu sei. Mas não custa nada a sonhar. Não queria ter recomeçado, mas seguir em frente é preciso. Feliz dez meses de sua ausência. Fique com suas lembranças em paz. E quero que continue não olhando para trás.

                                                                                   Algumas lembranças. Outras saudades
                                       

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©