5 de set de 2011

Os decididos


Decidimos que aquela seria a nossa despedida. Adeus, pensei. Adeus, você deve ter pensado quando foi embora para sempre da minha vida.Você foi embora realmente, não há mais nada para reclamar sobre isso. Não há mais porque ter medo de sua despedida,  sendo que já passou-se tanto tempo. Nunca mais fui a dona do seu pensamento. Nunca mais soube da sua vida e dos seus medos. Nunca mais quis te procurar. Nunca mais quis ser tratada tão mal como um dia você me tratou. Prometi que aquela seria a nossa última vez. Entre as últimas vezes que já havia prometido, aquela seria a que eu levaria a sério. Você não me vê mais, não me escuta e nem me lê. Você se perdeu em meio de suas farsas e suas verdades. Você se perdeu nessa trilha e não há mais ninguém para te salvar. Você preferiu ir embora e eu concordei, mesmo querendo agarrar seu braço e gritar que nunca poderia me abandonar.
Queria ter agarrado seu pescoço e ordenado a me beijar. Queria ter cravado minhas unhas no seu braço até te causar a dor para que você lembrasse de tudo que fui um dia. Queria ter segurado sua mão e chorado tudo que poderia chorar um dia, só para você se sentir culpado. Mas isso era antes, hoje, depois de tanto tempo, só creio que poderia ter chorado mais. Não deveria ter engolido o choro. Não deveria ter engolido tanta coisa, entre elas, zombarias. De tanto apanhar, um dia a gente aprende a bater e com força. De tanto ser ameaçada, a gente aprende a passar medo nas pessoas. E comigo não foi diferente. Não aceito mais nada, respondo sem medo. Não sorrio quando não quero. Não crio expectativa em pessoas parasitas. Não quero um amorzinho fofinho de verão. Quero a realidade. Quero enfrentar o que vier. Não quero fugir de nada mais.Hoje não sou a que ocupa a linha do seu telefone. Não sou mais a dona da sua verdade, nem dos seus desejos. Hoje já não sou eu que falo frases clichês para você. Não sou a que irá mudar sua vida e nem serei o seu maior sonho. Hoje já não sou mais a menina que queria descontroladamente te encontrar só para conversar. Não sou mais a que é dona do seu sorriso e dos seus assuntos. Hoje você já não se lembra mais de mim. Não lembra do meu sotaque e nem da minha personalidade.
Criei um luto só meu. Criei um lugarzinho entre o que era realmente realidade e o que era imaginário. Criei um lugar que eu poderia ficar triste sem dar muita explicação. Eu pude chorar por tudo, pude sofrer todas as dores do mundo, sozinha. Pude me preparar para a volta por cima. Eu não estava pronta para levantar. Não estava pronta para ser feliz – Creio que nunca estou, na verdade - . Tudo que eu pensava era como iria dar a volta por cima. Mas sabia que precisava viver aquilo de forma intensa, precisava aprender a sofrer para depois dar a volta por cima. Hoje já não existe mais luto, e eu sei que foi preciso tudo aquilo de antes. Foi preciso descabelar, chorar, gritar e tirar aproveito. Foi preciso suspirar por um amor perdido, por uma vida perdida, e por sonhos jogados ao lixo.
Lembro das inúmeras vezes que tirei minha maquiagem dentro do meu quarto. Eu queria mais é que o mundo se fudesse. Lembro de tantas vezes fui sozinha enfrentar tudo que tive medo. Lembro de quantas vezes, sozinha, escrevi um texto amargurado mas que no fim, pude expressar tudo que poderia. Sozinha eu me criei. Sozinha eu tento seguir a vida conforme a música da vida e suas baladinhas bregas. Sozinha, tão sozinha, tento recompor minha vida. Decidimos que ali seria o nosso fim. Decidimos isso para as nossas vidas que jamais vão se reencontrar. Decidimos ser indiferentes para não chorar depois. Escolhemos sorrir para depois não enlouquecer. Escolhemos um homem que possa mudar nosso futuro numa simples frase – mesmo que depois ela saia inacabada – Escolhemos tantas coisas para a vida. Nunca sabemos se é a escolha certa. Eu escolhi que aquele seria o último menino que eu dedicaria um texto meu. Escolhi que ele seria o último menino que poderia ver quem realmente sou, sem máscaras ou bloqueios. Mas também escolhi que ele fosse o menino que poderia me fazer crescer, amadurecer, ser o que eu nunca tinha sido.  Sou vulnerável demais quando escrevo. Sou uma eterna menina de quinze anos nessas eternas linhas de despedias. Sou aquilo que você poderia escolher, mas nega. Sou aquilo que causa o polêmica, porque não sei guardar minhas críticas. Eu danço conforme a baladinha brega da vida. Danço conforme a vida quer que eu dance. Mas sou teimosa, às vezes, tento outros passos, outros ritmos, outros corpos, outros amores. Mas volto, eu sempre volto! Mas decidimos que seria o fim. Tudo bem, somos decididos, estamos decididos. Escolhemos de novo e mais uma vez. E continuaremos escolhendo por meio do acaso algo que se pareça com a gente. Porque passamos, claro que passamos, mas de uma forma ou outra, ficamos. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©