4 de nov de 2013

Ressaca




Escrevo com ressaca porque é um dos únicos momentos de sanidade que me resta. Escrevo como se eu estivesse seca por dentro, um vazio, uma crise existencial. Me sinto feliz. Depois de tantos meses na escuridão, ontem, eu tive a certeza mais constrangedora que sou feliz apesar de tudo. Apesar de sangrar excessivamente quando um relacionamento termina. Apesar de querer desistir, sumir, cortar a cabeça alheia. Apesar de sempre falarem que não me dou o valor pra quem realmente merece. Eu sou feliz, apesar dos apesares, eu tô sendo feliz e tô tentando sair da escuridão que criei durante esses longos e estranhos meses.
Escrevo para salvar a minha vida e um pouco da minha história. Escrevo para tentar ser feliz e tentar me conhecer um pouco. Fixo meu olhar no espelho que está na minha frente e é engraçado imaginar que sou fiel a quem não é comigo. Eu sou incrivelmente fiel a algo e alguém que nunca existiu.
Já chorei muito. Absurdamente. Já dormi de tanto chorar e não lembro o mais o motivo das dores, apenas sei que sofri. Minhas dores são tão eternas até amanhã. Minhas dores são de querer morrer até nas próximas horas. Meu amor é eterno até que minha paciência acabe. Meu silêncio é grito desesperado de socorro. Meu silêncio tem motivo. Minha malandragem é jogo. Meu jogo, eu não revelo. Só sei que dói ser como eu sou. Só consigo imaginar o quanto isso é vazio, é sujo e não sei se quero mais. Mas sei que sou absurdamente feliz. Nos primeiros meses, doeu muito, porque eu sabia que o que eu fazia, era algo feio, imoral, e estranho. Depois, foi aliviando com o tempo. E agora, tá cicatrizado. Não há porque esperar o melhor e o pior de alguém que não espera meu melhor e o pior.
Gosto de sentimento reciproco, por isso, eu acho que não sei mereço ficar tão desgastada. Não sei se mereço realmente ficar tão cansada dessa história, e de você. Não sei se mereço e se quero ficar tão exausta de tentar decodificar algo que não sei realmente se é tudo que preciso e quero. Eu gostei muito. Absurdamente. Exageradamente. Mas em segredo. Porque eu só sei ser silenciosa. Eu não gosto do grito. Eu não gosto do barulho. Mas ainda assim, eu gostei muito. Nunca precisei dizer porque não sei esconder, omitir, seguir em frente. Sou virginiana e me dou o direito de ser assim. Me dou o direito de sofrer o tanto que posso para que mais tarde, eu possa seguir em frente. Me dou o direito de surtar, para que depois, eu pegue o controle da situação novamente.
Mas a ressaca tá passando, e a lucidez de que tanto gosto, está acabando. Amanhã, eu estou aqui, jurando amor eterno. Amanhã, eu estou aqui, jurando uma fidelidade que carrego comigo desde o início. Amanhã, eu estou aqui, cansada, esgotada mas tô aqui. Vai que um dia, você acredita em mim. Vai que um dia, você descobre lá no fundo, bem no fundo, que você sempre gostou. Vai que um dia você acredita. Vai que um dia você volta. Vai que você queira ficar aqui. Me abrace antes que o mundo caia. Me abrace antes que eu vá embora. Me queira antes que eu te queira. Me queira antes de eu deixar de te querer. Me abrace e me queira antes que o outro me leve para longe. E isso é te pedir muito? Se isso é realmente te pedir demais, sinto te dizer, mas estou indo embora e até nunca mais. (E você sabe, meu nunca mais, só dura algumas horas, e meu indo embora é até ali e já tô voltando).




Sozinho - Caetano Veloso

"Por que você me esquece e some?
E se eu me interessar por alguém?
E se ele, de repente, me ganha?"






Nenhum comentário:

Postar um comentário


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©