22 de set de 2013

Não penso




Eu não penso mais em ser sozinha e nem carregar para sempre todas as minhas desilusões dentro do meu peito. Não penso mais em me vingar, nem ser a mulher bem resolvida da história. Não penso em querer ser a mais bonita, a mais fodida, a mais interessante, a mais em mais. Não penso em beber vodka e perder o rumo. Não penso mais em querer salvar o mundo, e nem o dia. Não penso em virar várias doses de tequila e virar uma Amy Winehouse. Não quero mais em trapacear e nem matar meus personagens. Não penso mais andar por aquela ruazinha escura e tão sombria. Não penso mais em te ver, e nem te ter por perto. Não quero mais nada e por não querer mais nada, eu quero tudo. Nunca fui boa em despedir. Nunca soube dizer adeus e nunca tentei ser boa nisso. Sou boa em descobrir cosméticos e até mesmo em criar amores platônicos, mas sou horrível em dizer adeus. Sempre chorei. Sempre vou chorar para me despedir, por mais que eu não queira mais. Por mais que eu não precisasse, nunca consegui dizer adeus e isso só me fez mal.
Tudo que eu queria, naquele tempo, era ser sua. Não sei exatamente ser de ninguém, mas estava disposta a tentar ser algo na sua vida. Não sei, talvez seria uma personagem principal, ou a personagem coadjuvante na história mais sem graça do século - até porque não há sentido escrever sobre ela -
Desisti de esquecer. Eu vou me lembrar de você quando ficar sozinha e pensar em escrever. Vou me lembrar de quando alguém me propor algo tão mesquinho e vulgar. Vou me lembrar de tudo o que você me fez sentir. De toda aquela imensidão. De toda aquele carinho vulgarizado. De todo o silêncio. E de todas as músicas ridículas. Vou me lembrar, porque você agora, faz parte da minha história. Tudo isso é errado e totalmente sem nexo algum. Tudo isso é horrivelmente estranho que não há mais graça, porque aqui, eu entrego os meus pontos e te faço campeão do seu jogo de horror.
Fico sem chão quando te vejo. Perco o ar e a minha gastrite ataca todas às vezes que você faz alguma merda muito fora do controle. E foi aí que eu descobri que estava literalmente envolvida: Minha gastrite nervosa atacou, minha insônia acabou voltando e eu quis mais do que nunca ser mulher o suficiente para a sua vida. Me falta o ar quando te vejo com outra. Me falta a noção do tempo e do espaço quando desisto de ser mulher para o mundo e resolvo ser mulher para a sua vida e para a sua história. Eu poderia muito bem chorar, mas agora, sou controlada. Porque depois de anos, eu consegui ser mulher o suficiente para o mundo e para a minha vida. Depois de ter chorado muito, de ter escrito muito, de ter feito tantos planos em cima de nada, resolvi que estou fora do jogo. Tenho medo de não conseguir mais parar de chorar ou de falar. Tenho zilhões de coisas a dizer sobre você e sobre a sua vida. Tenho trilhões de coisas que podem até não fazer sentindo, porém, eu sinto. Apenas sinto e não há explicação maior para isso. Torço para que não seja tarde demais. Torço para que não evite demais. Torço para não esnobar demais. Eu penso e repenso em tudo e me canso. Penso e repenso na vida, na história, nos excessos e até mesmo nas faltas. Penso e peco. Penso e peço. Penso e desisto mais uma vez de tudo.
Porque eu sei que quando resolver sair dessa história, a magia acaba. Eu não vou mais sentir aquele vácuo dentro do meu estômago. Não vou mais implorar para fazer parte de sua vida. Não vou mais querer ser sua. Não vou mais querer tentar e requentar qualquer contato. É tão triste despedir. E eu quero tanto grudar no seu braço e tentar impedir qualquer despedida do mundo. Eu quero tanto pedir para que não vá embora mesmo que eu tenha percebido que sim, chegou a hora de você ir embora. Vou sentir sua falta. Vou sentir falta da minha gastrite que resolvia aparecer. Vou sentir falta do seu toque e do seu perfume. Vou sentir falta de mim, e da minha ansiedade tão gigante. Vou apenas sentir falta mesmo que eu não deva sentir tanta falta assim. Já que você, não sente a minha falta. Bom, não pelo menos do jeito que eu sinto.
Não penso mais mesmo que seja tão difícil e incontrolável. Não quero mais. E tudo que eu queria, tudo que eu desejaria essa noite é simplesmente ficar.




"O meu desespero é que quando acaba, você fica inteiro e eu fico o pó"

Comente com o Facebook:

Um comentário:


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©