19 de jun de 2013

Para alguém de verdade mesmo que seja de mentira




Querido Fábio,

Sonhei com você depois de três ou quatro anos. É estranho sonhar com você, Fábio. É estranho não ter tua presença e nem a tua companhia. Li meu horóscopo pela manhã e ele deu a opção de mandar um e-mail para alguém que eu não converso mais, e aqui está, um texto inteirinho só seu. Você sempre reclamou que eu nunca havia escrito nada sobre você, e aqui está. Parecia que a vida era mais fácil quando tinha você por perto. Parecia que não havia tantos problemas caóticos, e se havia, você me ajudava a desenrolar. Você sabe, Fábio. Você sabe que é muito mais do que forma de carinho e proteção.
Acho que os filhos únicos são egoístas demais e isso explica muita coisa. Os filhos únicos querem ter uma família grande ou simplesmente aceitam a vida, e continuam sozinhos pelo resto da vida. Eu não quero continuar sozinha pelo resto da minha vida. Na verdade, tudo que eu mais quero é cortar a vida e pronto, acabou, tchau mundo.
A gente estava em um quarto e eu afundava minha cabeça em seu peito. Apenas isso. Nada de sexual, nada que dê vontade de sair tirando a roupa por aí, apenas deitava em você e ficava. Triste, né? Eu sei. É triste porque a vida tá difícil. Tá tão caótica e eu tenho tanta coisa para dizer mas, não consigo. Preciso dizer que sinto e sinto muito, Fábio. E você sabe disso. Você sabe que sou movida pela emoção, mesmo que eu queira parecer que sou totalmente razão. Mesmo que eu me comporte como a destruidora de corações, eu sinto e muito.
Eu sou imatura e por isso estou confessando os meus segredos por essa carta. Sou tão imatura e me dá uma preguiça de crescer. Não sei desligar. Não sei deixar. Não consigo. Preciso sugar até a última gota de tudo. Preciso sentir que sente, entende? Não que eu quero deixar a vida mais confusa do que já é. Não que eu queria brincar de esconde-esconde. Mas Fábio, a vida é dark. A vida é trash. A vida é isso.
Tenho saudade de você. Mesmo. Todos os dias. E principalmente, todas as noites.
Não há livre arbítrio algum, Fá. Não há escolhas. São apenas direções. É pegar ou largar. É deixar ou seguir. Não há muitas opções para adiar o futuro. E eu vejo que não tenho mais escolha. Talvez, eu tinha, um dia. Hoje eu não tenho mais. Aqui está um pedaço seu. E está eternizado. Porque amanhã, eu não sei.
Amanhã é dia de ser feliz ou de querer estar feliz, entende? Amanhã é dia de recomeçar ou buscar algo novinho. Sabe, com aquele cheiro de livro novo. Sabe, aquele cheiro de terra molhada. É dia de tentar se sentir melhor.
Porque mulher é uma desgraça, não pode ficar apaixonada que publica milhares de trechos de Lispector, Caio F., Martha Medeiros e até mesmo Tati Bernardi. Mulher não pode se sentir desprezada que se torna escritora, ilusionista e ainda descobre o lado neurótico que ninguém conhecia - nem mesmo ela - 
Tudo que eu queria era te proteger de todos os males do mundo, já que você ao menos tentou fazer isso. Justamente por tentar te proteger, acabei afetando seu ego e sua vida. Não sei ser de outra maneira. Não sei ser menos. Não sei ser do jeito que todos esperam que eu seja. Sou apenas isso e você sabe bem disso. Mas, ao menos, estou te protegendo de mim, da minha vida, e da minha insanidade.
Queira estar bem. Queira ficar feliz.
Juro que um dia eu entrarei numa fonoáudiologa.
Queira (sobre)viver ao caos que é aí em Santo André.
Um beijo, e até qualquer dia por aí.





Antonieta.


"Porque é tão mais fácil aturar a vida sabendo que tem você. Agora sem você, meu amigo, a coisa é feia, realmente feia" (Caio Fernando Abreu)

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Você me surpreende com sua doçura! Linda, adorei!

    ResponderExcluir


Layout: Bia Rodrigues | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©